Observar o corpo interestelar para procurar sinais alienígenas

A ideia foi do bilionário russo Yuri Miner e ainda ao longo do dia de hoje - Quarta-feira - deverão arrancar os primeiros estudos.

Quando passou ao largo da Terra, intersectando o Sistema Solar, o Oumuamua causou uma enorme surpresa, quer pela órbita quer pela forma que apresentava. Agora, essa surpresa está a transformar-se em desconfiança e há quem queira mesmo iniciar uma investigação do corpo celeste em busca de sinais de vida alienígena.

A ideia foi do bilionário russo Yuri Miner e ainda ao longo do dia de hoje – Quarta-feira – deverão arrancar os primeiros estudos. Milner patrocinará a utilização de um radiotelescópio para que se recolha informação sobre a composição do corpo celeste.

A primeira observação do corpo, que já se encontra ao dobro da distância entre a Terra e o Sol, demorará certa de 10 horas e será efectuada recorrendo ao Observatório de Green Bank, no estado da Virginia, Estados Unidos, um dos telescópios mais potentes e direccionáveis do mundo.

A iniciativa é coordenada pelo grupo Breakthrough Listen, financiado por Yuri Milner e que, em nota, sustentou a sua desconfiança dizendo que os investigadores que se encarregam do transporte espacial de longa distância associam a forma aerodinâmica de charuto à possibilidade de se tratar uma nave de espacial de outro planeta.

Encontre-se ou não presença ou vestígios da construção do objecto por parte de outros seres, esse não é o objectivo único da equipa, até porque não seria realista. De qualquer modo, a passagem de um corpo estranho tão perto da Terra revela-se com uma fantástica oportunidade de testar os equipamentos tecnológicos e de recolher informação sobre materiais provenientes de outras partes do Universo. Andrew Siemen, director do centro de observação Berkeley SETI Research Center foi quem o afirmou, acrescentando que seria uma boa demonstração do poder de observação da sua equipa.

A comunidade cíentifica, essa, continua pouco convencida dessa possibilidade ainda que, em ciência, só a refutação empírica possa ser objectivamente aceite. Os resultados das observações não deverão demorar e sendo pouco provável que se encontrem pistas para outros mundos, certo será o aprofundamento do conhecimento sobre um objecto que nem a definição astronómica é consensual.

 

Previous Crocodildo, um disco para toda a família
Next Facebook está a fazer mal à sociedade? Ex-executivo diz que sim, Facebook diz que já não