Filipe Melo e Juan Cavia habituaram-nos a narrativas firmes e convulsas… aí vem mais uma

Comer/Beber é um livro que se desdobra em duas histórias, dois capítulos, que se cruzam na relação – simultaneamente universal e pessoal – entre o paladar e a memória.

Filipe Melo e Juan Cavia habituaram-nos a narrativas firmes e convulsas, tanto com a trilogia As Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy como com Os Vampiros. As histórias que contam, apesar de seguirem o ritmo acelerado que é bastante comum nas bandas desenhadas, são íntegras e tendem a ter um desfecho pleno e satisfatório.

Da sua mais recente novela gráfica, Comer/Beber, podemos esperar algo igualmente consistente, pois será mais um conto onde histórias reais se fundem com a ficção, algo que a dupla já comprovou correlacionar com mestria.

Comer/Beber é um livro que se desdobra em duas histórias, dois capítulos, que se cruzam na relação – simultaneamente universal e pessoal – entre o paladar e a memória. Na primeira história, cujo cenário é a Berlim dos anos 40, em plena Segunda Guerra Mundial, encontramos Franz Majowski, que esconde uma garrafa de champanhe no cofre do seu restaurante. Na segunda história, já na década de 80, conhecemos Lloyd Jenkins, que percorre o interior da América em busca de uma tarte de maçã. Um dos relatos é ficcional e o outro é real.

Capa de livro Comer/Beber, de Filipe Melo e Juan Cavia

A qualidade das produções desta colaboração é indiscutível, não tivessem elas sido prefaciadas por grandes vultos do cinema como John Landis, George A. Romero, Tobe Hooper e Lloyd Kaufman. Contudo, desta vez, decidiram deixar essa responsabilidade ao respeitado jornalista e editor português, Carlos Vaz Marques.

«Mesmo a mais trágica situação pode esconder episódios redentores. É para isso, não só mas também para isso, que servem as histórias, venham elas na forma de romances ou filmes, de peças de teatro ou pranchas de banda desenhada: para nos permitirem partilhar a réstia de humanidade soterrada mesmo nos cenários mais desesperados.»

Comer/Beber será publicado hoje, 7 de Dezembro, pela Tinta-da-china e será publicamente apresentado por Filipe Melo e Juan Cavia a 16 de Dezembro, na Comic Con – Porto às 14h00 no Auditório Comics & Literatura, e a 18 de Dezembro, na FNAC Chiado – Lisboa às 18h30.

Previous “Tudo acontece por algum motivo ”, vem aí a quarta temporada de Black Mirror
Next Código de conduta criado após expulsão de Weinstein da Academia de Cinema