Casas portuguesas são demasiado frias. É preciso resolver isso

Edifícios não são capazes de reter o calor, levando as pessoas a fazer elevados gastos com o aquecimento.

Um inquérito da Quercus feito a cerca de mil pessoas revela algo que já era comentado antes: as casas portuguesas são demasiado frias e, por isso, pouco confortáveis. A razão são as deficiências ao nível do isolamento nos edifícios, o que resulta em elevados gastos de energia no aquecimento. Em suma, é mau para o ambiente e para a carteira.

Segundo a Quercus, 74% consideram as suas casas frias no Inverno, 25% dizem que são quentes no Verão e apenas 1% refere que a sua casa é termicamente confortável e, por isso, os gastos de energia para colmatar as necessidades de aquecimento são elevados. Dos inquiridos que responderam que a sua casa é fria na época baixa, 35% disse que recorre a mais roupa e mais equipamentos para se aquecerem, 21% têm equipamentos para esse fim e 20% só fazem uso de mais vestuário.

Uma casa eficiente energicamente é uma casa que retém o calor no seu interior, criando conforto, o que pode ser conseguido, por exemplo, com isolamento adequado nas janelas. Dessa forma, mesmo com aquecimento, é possível poupar energia, o planeta e a carteira, uma vez que a casa ficará quente por mais tempo.

A partir de 1 de Janeiro de 2019, todos os edifícios públicos terão de ter necessidades quase nulas de energia, segundo novas directivas europeias. No primeiro dia de 2021, as regras alargam-se a novos edifícios privados. Como 40% do consumo total de energia na União Europeia (UE) corresponde aos edifícios, refere a Quercus, o aumento da sua eficiência energética é uma das medidas necessárias para reduzir a dependência energética e para diminuir as emissões de gases com efeito de estufa.

Segundo a Quercus, a maioria habita edifícios construídos entre 1980 e 2004, a maior parte com vidros duplos nas janelas, mas não possuem caixilharias com ruptura térmica, “o que de nada adianta a eficiência do vidro”. Para a associação ambientalista, devem ser definidas políticas locais que beneficiem a reabilitação sustentável dos edifícios existentes, apostando no isolamento para que o calor gerado dentro de casa, “onde passamos cerca de 90% dos nossos dias”, se mantenha.

A Quercus acrescenta que, em 2003, uma investigação realizada pela Universidade de Dublin, na Irlanda, concluiu que Portugal é um dos países da UE “onde mais se morre por falta de condições de isolamento e aquecimento nas casas”.