Apple pode estar a reduzir a velocidade de iPhones antigos

Utilizadores podem ser levados a comprar um iPhone novo se sentirem o seu antigo lento.

A Apple pode estar a baixar propositadamente a performance dos iPhones mais antigos, usando o estado da bateria como “desculpa”. A acusação recai sobre o ciclo de vida que a tecnológica coloca aos seus produtos, levando os consumidores a comprar os modelos mais recentes.

Estima-se que um iPhone dure em média 3 anos, isto é, um equipamento como o iPhone X, lançado em 2017, deverá ter actualizações de software e funcionar sem problemas até pelo menos 2020. Se, por um lado, os sistemas operativos evoluem, puxando mais pelo hardware, o que resulta em baixa performance nos modelos mais antigos; por outro, são utilizados pelas tecnológicas para definir o ciclo de vida dos seus produtos.

Essa estratégia permite à Apple (e a outras fabricantes) garantir a continuidade das suas receitas, pois um utilizador que adquira um iPhone hoje vai ter de arranjar um novo dentro de X tempo, período determinado pela empresa da maçã.

Mas uma nova análise sugere que a Apple diminui propositadamente a velocidade do processador de iPhones mais antigos, utilizando como “medida” a idade da bateria. Assim, um telemóvel cuja bateria esteja mais gasta será mais lento. Não se sabe se a Apple faz isso para garantir a segurança dos equipamentos e preservar a sua bateria, o certo é que os dados de benchmark relativos ao iPhone 6S e ao iPhone 7 revelam um CPU mais lento ao longo do tempo, com as actualizações 10.2.1 e 11.2.0 do iOS, lançadas em Janeiro de 2017 e em Dezembro de 2017, respectivamente.

Mas, então, e a bateria? Bem, alguns utilizadores do Reddit reportam que, substituindo as baterias dos seus iPhones, tiveram o processador de volta à velocidade normal. “O problema pode fazer os utilizadores pensar que o seu telemóvel está lento e que precisam de substituí-lo ou que têm de mudar a bateria”, escreve John Poole, programador do Geekbench, um software que permite fazer benchmarks.