Entrámos no mundo paralelo dos Shabazz Palaces

É como se este fosse o Hip Hop do "Upside World" de Stranger Things.

A Galeria Zé dos Bois está de parabéns. Chegaram aos 23 anos da minha inveja a uma das venues mais relevantes e surpreendentes da nossa capital. Sempre disse aos meus amigos que, se fosse um gajo com dinheiro suficiente para fazer o que me apetecer nesta vida, abria um espaço cultural. Café e cigarros, co-work e tostas durante o dia e uma cave pesada dos gigs à noite. O ZDB é provavelmente o espaço mais próximo daquilo que a minha carteira nunca me deixou ser. Depois junta uma curadoria pensada, sem aderir a grandes excitações comerciais ou a bandas demasiados grandes para a sua pequena sala com a janela mais famosa do Bairro Alto.

Mas desta vez, deixemos o bairro para as pessoas de outra língua materna que apanham escaldões em Novembro, nos jardins do Príncipe Real. Partimos de copo na mão até Santa Apolónia, prontos para entrar no mundo paralelo dos Shabazz Palaces, de Ishmael Butler. Após ter conquistado as tabelas na década dos 90 com os maravilhosos Digable Planets, volta a surgir agora numa época onde o Hip Hop é rei. Na companhia de Tendai Maraire, levam os Shabazz Palaces para um caminho onde o seu Hip Hop é bem diferente dos que rebentam os top por aí fora. Mais pesado, às vezes mais bruto, imperceptível ou espacial. É como se este fosse o Hip Hop do “Upside World” de Stranger Things. Sem Demogorgons ou Mind Flayers, mas com um força escura e pesada o suficiente para te arrastar para o seu mundo colateral de beats.

Depois da estreia na casa do aniversariante e o follow-up no Musicbox com Lese Majestic de 2014, apresentam na cave do Lux o par de discos lançados este ano: Quazarz vs.The Jealous Machines e Quazarz: Born on a Gangster Star (ambos da editora SubPop). Eu até embirro com bandas que lançam mais que um disco de uma vez. Sou um gajo que gosta de ouvir muita coisa e dar atenção quarenta malhas leva o seu tempo. Ouvi um casa e deixei que o gig me mostrasse o resto. Os discos contam história do gangaster espacial Quazarz, que vive num mundo ficcional, numa visão transformada de uns Estados Unidos transtornada.

Durante quase uma hora de meia, a cave do Lux vibrou sobre texturas imprevisíveis e arrojadas, num ambiente obscuro ideal para uma noite de halloween. Ishmael Butler e Tendai Maraire fazem coisa bem feita e reproduzem tudo live, abrindo as portas à improvisação. Esteve tudo certo para fazer desta um noite incrível. Tudo menos o som. Com os baixos demasiado sobrepostos ao resto e com uma mesa de som que por vezes limitou a potencial jarda a mais que de tanto gostamos. Mas nem isso deitou a baixo a performance experimental dos Shabazz Palaces. A noite seguiu com o já nosso conhecido DJ set de Panda Bear e Pega Monstro, que abanou o resto deste aniversário. Parabéns ZDB, vemo-nos no Bairro Alto para o resto da agenda incrível de Inverno.

Fotos de: Vera Marmelo

Previous Texas: e quem salva os americanos dos americanos?
Next Jameson Urban Routes: duas noites no festival do Musicbox