And So I Watch You From Afar: Uma experiência sem prazo de validade

Ver a matemática aplicada à música dos And So I Watch You From Afar ao vivo é o máximo que posso fazer pela pessoa que me fez acabar o secundário. 

As ciências já saíram há muito da minha vida e o conceito de matemática, em 2017, faz-me cada vez menos sentido. A minha ex-professora, que tanto se esforçou para eu conseguir passar, percebeu cedo que aquele curso claramente não era o certo para mim. Ver a matemática aplicada à música dos And So I Watch You From Afar ao vivo é o máximo que posso fazer pela pessoa que me fez acabar o secundário. 

Ver ASIWFA em 2017 para muitos pode até já não fazer muito sentido. O reinado do mathrock/core, ou post-rock nerd se preferirem, já passou há uns anos. Mas ASIWFA ao vivo é uma experiência sem prazo de validade. A Amplificasom sabe disso e faz questão de convidar, novamente, o conjunto de Belfast para duas datas, no Porto e em Lisboa.

Os irlandeses fizeram-se acompanhar dos Paisiel, em ambos os concertos. Para abrir a energia inconfundível dos cabeças, aquecemos com uma sonoridade atmosférica com uma linguagem próxima do jazz. As dinâmicas entre o saxofone elétrico e a percussão pediam que não houvessem interrupções entre malhas. Mas a vibe passou um bom principio para um projeto que pode crescer.

Passamos para a estrelas da noite. Para mim, infelizmente, a noite no Musicbox foi uma estreia. Oportunidades não faltaram, ainda o ano passado tocaram aqui no mesmo local, mas não dá para ir a todas. Uma pessoa sempre se vai esforçando e foi preciso chegar a tour que marca o lançamento do novo disco “The Endless Shimmering” para os conseguir ver.

Embora o disco tenha saído há menos de um mês, a banda fez questão de passar um pouco toda a sua discografia. Na verdade, do novo disco ouvimos apenas duas malhas. ASIWFA conhece o seus fãs e não faltaram temas como “Set Guitars to Kill”, “7 Billion People…” ou “The Voiceless” para ditar o fim da noite.

O mito que corre é verdade. And So I Watch You From Afar é um experiência para se sentir ao vivo. A energia é contagiante, alinhada a uma dinâmica capaz de captar a tua atenção a qualquer momento do gig. Ouvir ASIWFA é um desafio e presenciar os pormenores, principalmente da guitarra, a cada malha é delicioso. A ideia de que a qualquer momento tanto detalhe pode perder-se e correr mal, cria uma tensão fabulosa.

Fotografias: Teresa Lopes da Silva

Previous Se tens entre 14 e 18 anos, a Carris quer dar-te descontos
Next Ex-presidente do Facebook admite que rede social explora as nossas vulnerabilidades humanas