Pokémon Go terá sido usado pelos russos para agitar tensões raciais

Mais uma suspeita de interferência russa nas eleições norte-americanas.

Voltamos à alegada influência da Rússia nas últimas eleições norte-americanas e às artimanhas cibernéticas que terão sido usadas pelos russos para esse fim. A CNN avança que o Pokémon Go, o jogo que pôs milhares de pessoas nas ruas, terá sido utilizado para provocar tensões raciais nos Estados Unidos.

Segundo conta a CNN, a Rússia terá lançado uma campanha intitulada “Don’t Shoot Us” no popular jogo, que foi inteligentemente disfarçada como pertencente ao movimento Black Lives Matter, que surgiu nos EUA depois de vários casos de brutalidade policial conta negros. A campanha terá sido promovida através de um Tumblr e das redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter), apelando à caça de Pokémons perto das áreas que estavam a ser palco dos conflitos entre manifestantes e a polícia. Os jogadores foram ainda aliciados a mudar os seus nomes para os de vítimas dos incidentes envolvendo brutalidade policial – o que foi visto como uma tentativa de aumentar tensões raciais no país.

A página de Facebook desta campanha foi uma das que a rede social apagou depois de determinar que pertencia a grupos russos ligados às eleições norte-americanas. De acordo com a CNN, uma das publicações no Tumblr mostrava um Pokémon chamado “Eric Garner”, em alusão ao cidadão que morreu depois de ter sido submetido a choque por um oficial do Departamento de Polícia de Nova Iorque.

O blogue promovia ainda um concurso, que prometia cartões-presente da Amazon aos vencedores. A CNN não encontrou qualquer evidência de pessoas que tenham participado neste concurso ou da distribuição dos cartões-presente.

“É claro que, a partir das imagens partilhadas connosco pela CNN, os activos do nosso jogo foram apropriados e utilizados de forma indevida em promoções sem a nossa permissão”, disse, em comunicado, à CNN a empresa Niantic, criadora do Pokémon Go.

Previous Trailer final de Stranger Things prepara-nos para o Halloween que aí vem
Next Oculus Go: pode a realidade virtual chegar a mil milhões de pessoas?