E quem ganha com a legalização da erva nos Estados Unidos é o… McDonald’s

A pesquisa indica uma clara preferência por comida barata e de acesso rápido.

Fome: o estado final de um stoner e um dos efeitos mais perigosos – quendo não tens nada que te agrade para comer  – que ocorrem após o consumo de cannabis. Ou pelo menos é isto que normalmente – dizem por aí – sentes depois de fumares erva.

Diversos cientistas afirmam que o THC, o princípal activo constituinte da cannabis, consegue intervir nos receptores do lóbulo olfatório no cérebro, aumentando significativamente o olfacto, e, consequentemente, a vontade de comer, já que tudo cheira tão bem e parece tão aliciante aos nossos sentidos. Por outro lado, há especialistas que argumentam que o estado em que ficas depois de fumar erva engana o sistema central do cérebro, fazendo com que neurónios encarregados de inibir o apetite desencadeiem o efeito contrário. Seja como for, quem está a ganhar com a erva e a sua legalização nos EUA neste momento são as cadeias de fast food, principalmente o McDonald’s. Nos Estados Unidos, 7 Estados já legalizaram o consumo recreativo de erva, e outros 32 aprovaram o seu uso para fins medicinais.

Um estudo online do site Green Market Report e da consultora Consumer Research About Cannabis, de uma série chamada “Cannabis Freakonomics”, mostra que 43% dos entrevistados afirmam que após fumar erva têm como destino de eleição predilecto o Mc Donald’s. Cerca de 27 mil pessoas de 25 Estados norte-americanos participaram neste estudo num país onde se estima que 4,7 milhões de pessoas, o equivalente a 8,5% da população americana, adquiram cannabis de forma legal.

A pesquisa indica uma clara preferência por comida barata e de acesso rápido. Os restaurantes preferidos dos consumidores de erva, conforme indicou a estudo, são todos grandes cadeias de fast food. É compreensível a preferência por este género de munchies depois de fumar, embora não sejam a opção mais saudável. Quando questionado sobre o facto de o McDonald’s liderar a lista de restaurantes favoritos dos stoners, Jeffrey Stein, vice-presidente da Consumer Research About Cannabis, salienta a oportunidade de negócio e o fácil acesso a um destes estabelecimentos – “McDonald’s wins by virtue of the sheer number of locations”. 

O processo de legalização da marijuana traz consigo novas oportunidades de negócio, num mercado ainda pouco explorado e marginalizado. Poucas são as empresas, fora do universo da cannabis, que apostam em comunicação para estes segmentos, possivelmente ainda com medo de represálias por parte dos seus clientes não consumidores desta substância. Contudo, se a comunicação é uma questão de tempo, a distribuição e consequente localização de algumas lojas/restaurantes em redor de superfícies que vendam erva é algo comum. Em países como a Holanda, onde a Maria é legal para fins recreativos e as coffeshop’s tem uma política comum de não venderem comida – pelo menos em quantidades suficientes para o momento em análise – será raro o local de compra e respectivo consumo de erva sem uma opção para matar a fome a menos de 50 metros, faltando somente a ligar a ignição da comunicação.

Previous Get Me Roger Stone: um guia completo e divertido sobre a política americana
Next The Weeknd e Marvel anunciam banda desenhada Starboy