Carsharing: 5 formas de te moveres em Lisboa sem teres carro próprio

Existem carros e scooters que podes pegar e largar em qualquer parte da capital. Os preços rondam os 20 cêntimos por minuto.

A primeira vez que se ouviu falar em carsharing foi em 2008, quando através da Carristur, empresa de circuitos turísticos do universo Carris, foi lançado o Mob Carsharing. O serviço, que através de um site ou número de telefone permitia alugar carros à hora (com combustível e estacionamento da EMEL incluído), acabou por ser descontinuado no ano passado por falta de procura, segundo justificou a empresa.

Em 2017, o carsharing tem vindo a ganhar outra popularidade com novas plataformas de partilha, mais práticas e mais modernas, que assentam em aplicações para telemóvel. Na capital, o DriveNow funciona desde Setembro com uma frota de mais de 200 veículos; a Citydrive dispõe de 40 veículos a combustível e prevê colocar 400 carros eléctricos nas estradas até ao próximo ano, metade em Lisboa e a outra metade no Porto; e a eCooltra têm para aluguer duas centenas de scooters. Está disponível também o 24/7 City e o Booking Drive ou a Parpe, estes últimos permitem a quem tenha carro rentabilizá-lo nas “horas mortas”.

O carsharing é um novo paradigma de mobilidade, que nos permite deslocar na cidade sem ter uma viatura privada e todas as preocupações associadas, nomeadamente a sua manutenção ou os custos de estacionamento. Com o carsharing, podemos a partir do smartphone desbloquear um carro (ou scooter) estacionado num qualquer ponto da cidade e deixá-lo no nosso destino, desde que esteja dentro da área de operação do respectivo serviço.

Os preços rondam geralmente os 20 cêntimos por minuto e têm estacionamento, combustível (seja gasolina/gasóleo ou electricidade) e seguro contra todos incluídos. Acredita-se que, por cada veículo de carsharing, sejam retirados vários carros das suas da cidade, ajudando a melhorar a situação do tráfego nas mesmas.

DriveNow

Foi lançado em Setembro na capital portuguesa, fruto de uma parceria entre a Brisa, a BWM e a Sixt, uma das maiores empresas mundiais de rent-a-car. O DriveNow dispõe de uma frota de 211 veículos das marcas BMW e MINI. A cobertura do serviço abrange praticamente toda a cidade de Lisboa, excluindo zonas como Chelas, Portela, Benfica, Pontinha e Ajuda. Clientes Via Verde podem usar a sua conta para fazer o pagamento do serviço, que custa 29 cêntimos por minuto no caso de o carro ser um MINI 3 portas, MINI 5 portas e MINI Clubman, ou 31 cêntimos por minuto para veículos BMW Serie 1 ou BMW i3. O registo no DriveNow custa 10 euros e inclui 30 minutos grátis – não existem mensalidades. Se o carro for deixado mal estacionado, demasiado sujo ou danificado, existem custos extra.

Citydrive

A Citydrive surgiu em 2014 e é uma start-up portuguesa com uma frota de 40 carros Opel e Skoda em Lisboa. Até ao final de 2018, quer colocar 200 novos veículos na capital e outros 200 no Porto – todos eléctricos. O plano da Citydrive passa ainda pela internacionalização – 50 cidades em todo o mundo nos próximos cinco anos – e por alargar a frota a scooters eléctricas. Por agora, o Citydrive apresenta uma tarifa de 29 cêntimos por minuto na primeira hora, que baixa para 25 cêntimos nas horas seguintes. Podes estacionar o carro em qualquer lugar gerido pela EMEL, sem custo adicional.O serviço tem um custo máximo por dia de 69,90 euros. Tal como no DriveNow, existem penalizações no caso de má utilização do serviço. O registo no Citydrive custa 19,90 euros (também não há mensalidades).

eCooltra

São 170 scooters eléctricas espalhadas por Lisboa que podes pegar e largar em qualquer lado (desde que dentro da zona operacional do serviço e num lugar destinado a motos). Cada scooter inclui dois capacetes, seguro de responsabilidade civil, duas entradas USB e toucas descartáveis para a cabeça. O preço base é de 0,24 euros por minuto e, ao contrário da DriveNow e do Citydrive, não existe taxa de registo. Por outo lado, o seguro contra todos está também incluído na tarifa que já pagas. A eCooltra foi lançada em Barcelona, no ano passado; e, além de Lisboa, já está disponível em Madrid e Roma. Será que vai chegar ao Porto?

24/7 City

O 24/7 City é um serviço de carsharing mais limitado que o DriveNow e o Citydrive, porque disponibiliza menos veículos e tem uma cobertura mais pequena em Lisboa. Pertence à empresa de rent-a-car Hertz e tem na sua frota uma dezena de carros eléctricos BMW i3, que podem ser alugados à hora ou ao dia. Os preços variam entre 9 euros (uma hora) e 49 euros (um dia), e inclui 30 quilómetros por cada hora. O 24/7 City também está disponível através de uma aplicação móvel e, à semelhança dos serviços concorrentes, cobra taxas extra em caso de uso indevido. Existem três zonas de serviço: nas verdes podes largar o carro sem custo (estão apenas junto ao Aeroporto Humberto Delgado e na Rua Castilho); nas amarelas pagas 10 euros; nas azuis não podes terminar viagem.

Booking Drive & Parpe

bookingdrive.com é um pouco diferente. Quem tem carro pode, através desta plataforma, rentabilizar os seus veículos privados nas alturas em que não os usa. A Booking Drive está disponível em várias cidades do país e ilhas – em Lisboa existem 50 carros registados, no Porto 26 e no Funchal 14. A tarifa é determinada pelo proprietário do veículo – há preços por hora, dia, três dias e uma semana. Os pagamentos são feitos entre o dono do automóvel e o cliente, utilizando o cartão de crédito. Por cada aluguer, é debitada uma caução de 100 euros.

A Parpe é uma empresa brasileira que presta um serviço semelhante à Booking Drive em fase de pré-lançamento em Portugal e com plano para operar em todo o país com destaque para Alentejo, Algarve, Açores, Lisboa e Porto.

Para quem não tem carro estes serviços são uma alternativa em linha com as anteriores mas pensados para ligar utilizadores a proprietários de automóveis.

Previous Lisboa recebe uma espécie de “Web Summit” da cerveja
Next Os maiores segredos da equipa Shifter