Vhils vai abrir um museu de arte urbana em Cascais

O MARCC vai contar com 250 obras da colecção privada do artista.

A abertura do Museu de Arte Urbana e Contemporânea de Cascais (MARCC) foi notícia em Janeiro deste ano. Desde essa altura que se sabe também que Alexandre Farto aka Vhils seria dos artistas mais envolvidos no projecto, que contaria com cerca de 250 obras do artista.

Agora já se sabe onde fica o espaço que vai servir de palco à arte urbana em Cascais. O museu com cerca de 1700 metros quadrados vai ficar por baixo da característica praça de betão branco – a praça D. Diogo de Menezes –, numa nave que liga a Cidadela de Cascais à marina.

Passa assim a ser vizinho do Centro Cultural de Cascais, da Casa das Histórias de Paula Rego, da Casa Somner, que alberga a biblioteca municipal, e do Museu do Mar. Para a autarquia, surgiu assim a oportunidade perfeita para criar um programa conjunto de bilhetes para este “Bairro dos Museus”.

O MARCC pretende mostrar trabalhos inspirados pela realidade dos ambientes urbanos, de uma nova geração de artistas visuais nacionais e estrangeiros. O calendário já está fechado para 2018: uma exposição individual de Vhils para a inauguração, uma mostra histórica, outra do argentino Felipe Pantone e uma outra de um artista ainda a confirmar.

O acervo privado de Vhils será a exposição permanente do MARCC, que funcionará como uma das pedras angulares do museu e terá um programa de aquisições de peças feitas em feiras, galerias, ateliês de artistas portugueses e estrangeiros, tanto emergentes como consagrados.

O museu será também lugar de conferências, palestras, workshops, cursos, projeções de filmes e vídeos e programas de noites abertas com música, mostras e performances. “Um espaço para todos”, como referiu a equipa de Vhils na apresentação do museu no passado dia 27.

Ainda não há data oficial para abertura ao público, mas vai saber-se em breve. O MARCC resulta de uma parceria entre o Município de Cascais e Alexandre Farto, financiado a partir de fontes públicas e privadas.

Previous Esta foi a festa do hip hop. Dos que fazem, dos que ouvem e dos que fazem vida
Next Queres saber a história do nome da tua rua?