Teatro Maria Matos reduz papel para ser um “teatro verde”

Teatro lisboeta reduz 60% do seu consumo de papel e aposta nas plataformas digitais.

Para continuar a contribuir para um futuro mais ecológico, o Teatro Maria Matos, em Lisboa, reduziu 60% do seu consumo de papel e começou a apostar nas plataformas digitais como alternativas mais sustentáveis para a comunicação.

Em comunicado, o Teatro lisboeta afirma que, desde 2011, tem feito esforços para se tornar num “teatro verde”, tendo inclusive dedicado parte da sua programação à temática da ecologia e sustentabilidade ambiente, através de conferências, debates e performances artísticas.

“Nesta nova temporada, conseguimos reduzir 60% da nossa produção de papel impresso”, lê-se na nota divulgada. “Depois deste ano de balanço, concluímos que mais de 90% do nosso investimento de comunicação era gasto na produção e distribuição de materiais em papel e que, ao mesmo tempo, os meios de divulgação digital se tinham tornado plataformas tão ou mais eficientes e eficazes.”

Além de um novo website, desenhado pelo estúdio V-A, o Teatro Maria Matos está a apostar em conteúdos multimédia originais, concebidos em em conjunto com artistas, programadores e convidados. Imagens de bastidores, vídeos de ensaios ou até reportagens e entrevistas passarão a estar disponíveis diariamente no website, que conta também com um arquivo, onde é possível navegar pela história do Teatro Maria Matos.

Outra novidade é um podcast semanal, com episódios novos à segunda-feira para mostrar “tudo o que se passa no nosso palco e fora dele”. No primeiro episódio, já disponível no SoundCloud, a directora de comunicação, Catarina Medina, fala sobre a nova estratégia do Teatro.

O Teatro Maria Matos passa ainda a contar com wi-fi gratuito em todo o edifício, um convite ao público para consultar a programação e outras informações online, prescindido, assim, da “clássica folha de sala impressa em papel”. Já a brochura trimestral passou a ser mais pequena, mais verde e mais sustentável, e continuará disponível no Teatro e outros espaços culturais de Lisboa – “no entanto, não será mais enviada para casa do nosso público fidelizado”.

A redução do papel não é a única medida verde implementada pelo Teatro Maria Matos. Na página web onde detalha os seus esforços ecológicos, o teatro explica que, não existindo dados para Portugal, tomou como referência os teatros londrinos, que “emitem anualmente 50 000 toneladas de CO², o equivalente às emissões anuais de cerca de 9 mil habitações”. “Lisboa não é Londres”, ressalva, “porém os números dão uma ideia da importância do problema”.

Outras iniciativas, que permitem uma maior eficiência energética e reduzir também os custos orçamentais, passam por limitar a utilização do ar condicionado, apostar em lâmpadas de baixo consumo, eliminar garrafas e copos de plástico, utilização de detergentes biodegradáveis, redução de fluxo em todas as torneiras, utilização de transportes públicos sempre que possível e colocação de um parque de bicicletas na proximidade do teatro, em articulação com o os serviços da CML.

Previous Alimentos em fim de prazo vão ter uma segunda vida
Next #MeuCorpoNãoÉPúblico: o Brasil contra o assédio

Suggested Posts