O Safari não vai deixar que te sigam

O sistema está a agradar aos internautas e a chatear os grandes anunciantes.

safari

Foi uma das novidades menos comentadas à data da Keynote da Apple mas revela-se agora como uma das que promete dar mais que falar. A introdução de um sistema nativo de bloqueio de ad-tracking no browser da Apple, que visa impedir os anunciantes de ter informação sobre os hábitos de navegação dos utilizadores, está a agradar a pequenos internautas e a chatear os grandes anunciantes.

Para dar uma ideia clara da função introduzida no Safari, pensa que com ela se acabariam aquelas estranhas coincidências de após pesquisares um produto online ele te apareça em todo lado sob a forma de publicidade. A mudança no paradigma de publicidade online seria de tal ordem que motivou 6 dos principais anunciantes norte americanos a juntar argumentos numa carta conjunta.

Os anunciantes alegam que o dano será real e que o que poderão fazer para contornar a imposição terá consequências negativas na experiência dos utilizadores online. Por seu turno, a Apple firma posição na defesa da privacidade dos internautas.

O impedimento por defeito dos third-party cookies que monitorizam o comportamento dos utilizadores online é uma inovação louvável na estratégia da Apple e funciona basicamente da seguinte forma: os cookies primários – associados ao domínio do sítio que escolheste visitar – serão mantidos no teu computador apenas durante 30 dias, prazo renovado em caso de nova interação; já os cookies de terceiros – associados a widgets do facebook, plugins do website, etc. – serão imediatamente apagados no fim de cada sessão inibindo a criação de um histórico de utilização;

Para os anunciantes isto significa perder o registo de parte das preferências dos utilizadores e a opção não deveria estar incluída por defeito. Para a Apple, o mundo da publicidade tornou-se demasiado perverso para que continue a aceder com esta facilidade a algo que cada vez mais se confunde com o quotidiano de cada um de nós e impedir este tipo de monitorização é um garante básico de que não parece estar disposta a abrir mão.

Previous Catalunha independente: ilusão ou uma realidade?
Next James Franco, prostituição e pornografia numa série

Suggested Posts