Rumor? Netflix pode estar a produzir série sobre o desaparecimento de Maddie

Imprensa britânica avança que série documental vai ser produzida. Mas o Netflix Portugal diz que se trata de um rumor infundado.

O desaparecimento de Madeleine McCann na Praia da Luz, no Verão de 2007, é um dos mais misteriosos casos policiais em Portugal e também no Reino Unido. Dez anos depois, o Netflix pode estar a preparar uma série documental sobre Maddie, refere a imprensa britânica.

O The Independent diz que se tratará de uma série de 8 episódios, contendo entrevistas aos inspectores do caso e principais figuras, e avança que a data de estreia não foi anunciada. Porém, à revista Sábado, fonte do Netflix Portugal indica que tudo não passa de um “rumor infundado” e que “não há qualquer indicação em como o documentário avançará”.

Rumor ou não, o que é certo é que séries baseadas em crimes reais, de estilo documental, não são uma novidade para o Netflix. Além de Making A Murderer, que conta a história de Steven Avery  – para uns mais um injustiçado pelo sistema criminal dos EUA, para outros mais um criminoso –, o serviço de streaming é a casa de um documentário sobre Amanda Knox, que esteve presa quase quatro anos pelo assassínio de Meredith Kercher, em Itália, até ser libertada e absolvida.

Madeleine McCann desapareceu em 2007 quando passava férias com os pais e dois irmãos na Praia da Luz, no Algarve, em 2007. Passava férias com os pais e os dois irmãos. O caso ainda continua em aberto, tendo, esta semana, a Metropolitan Police pedido mais dinheiro ao Governo britânico para continuar as investigações. Até hoje nunca foi descoberto o paradeiro da criança.

Em Maio passado, a CMTV lançou um documentário intitulado Maddie: O Enigma, no qual Gonçalo Amaral, o primeiro inspector responsável pelo caso, apresentou a teoria de que os pais de Maddie mataram acidentalmente a filha e tudo fizeram para esconder os indícios do crime, tendo contado com o encobrimento das autoridades britânicas.

Previous Se o Império Romano fosse um mapa de metro
Next Quem se arrepia com música está mais ligado às suas emoções