A empresa de um ex-Netflix que oferece cinema ilimitado em sala por 10 dólares/mês

Serviço já existe desde 2011, mas custava o triplo.
cinema ilimitado

Mitch Lowe – que integrou a primeira equipa executiva do Netflix, logo após a sua fundação em 1997 – está desde o ano passado à frente da MoviePass, uma empresa que está a tentar revolucionar as salas de cinema nos Estados Unidos.

Imagina que um simples cartão te abria a porta de mais de 4 mil salas de cinema, uma vez por dia. Sim, imagina que, pagando apenas 9,95 dólares/mês, podes ver os filmes que quiseres numa experiência real de cinema – não no PC, nem na TV, mas numa “sala a sério” com tudo aquilo a que tens direito.

O MoviePass é o serviço que acabámos de descrever e, de acordo com a página de FAQ do serviço, está disponível em 91% das salas de cinema norte-americanas. Com o MoviePass tens um cartão associado a uma app (iPhone/Android), através da qual podes saber as salas mais próximas e reservar sessões. O cartão existe porque nem todas as bilheteiras suportam e-ticketing. Apenas podes ver um filme por dia, mesmo que seja uma estreia (as sessões 3D e Imax não estão incluídas nesta oferta). Ao final do mês, pagas sempre o mesmo: 9,95 dólares. Os proprietários das salas recebem, da MoviePass, o valor integral dos bilhetes das sessões a que os seus subscritores vão.

Mas… qual é o “segredo” da MoviePass? Como consegue oferecer um serviço tão apelativo por uma mensalidade tão acessível? Como muitas tecnológicas a fazer dinheiro na internet, os dados dos subscritores são processados por uma empresa chamada Helios and Matheson Analytics, que detém a maior fatia da MoviePass. À Bloomberg, Ted Farnsworth, director executivo da Helios and Matheson Analytics, explicou que o objectivo é conseguir uma base massiva de consumidores e recolher dados sobre os seus comportamentos de espectadores de cinema. Essa informação pode ser eventualmente usada para segmentação de publicidade e outras ferramentas de marketing – uma forma de fazer negócio que não é muito diferente da do Facebook, Google ou mesmo do Netflix.

O MoviePass que agora está disponível por 9,95 dólares foi lançado em 2011 com uma mensalidade muito menos atractiva de 30 ou mais dólares. Com este novo preço, o serviço passa a compensar para mais pessoas e o MoviePass pode ganhar outro rumo, mas a decisão não agradou à maior cadeia de salas de cinema dos Estados Unidos. Em comunicado, a AMC reagiu com algum desconforto relativamente à nova estratégia de preço e anunciou que está a avaliar a permanência das suas salas no serviço.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Jornalista, adepto de cidades humanas e curioso por ideias que melhorem o país. Co-fundei o Shifter em 2013, sou desde 2020 coordenador do projecto editorial Lisboa Para Pessoas.

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt