Sabe que candidatos autárquicos rejeitam a exploração de petróleo e gás

De norte a sul de Portugal, são poucos os concelhos do litoral que escapam à polémica prospecção de petróleo ao largo da costa.

A possibilidade de exploração de petróleo e gás em Portugal é assunto que, ao longo de largos meses, tem ocupado a agenda de diversos movimentos de oposição e organizações ambientalistas de norte a sul do país. Tudo isto enquanto o assunto tem levantado posições pouco claras entre líderes políticos e passado semi-despercebido na imprensa e na opinião pública.

Mas a prospecção de petróleo e gás ao largo da costa portuguesa está na iminência de acontecer. O consórcio liderado pela petrolífera italiana Eni com a Galp Energia avançar com um furo exploratório na Costa Alentejana entre Abril e Junho do próximo ano – a pesquisa será feita a 46 quilómetros ao largo de Aljezur e a 80 quilómetros de Sines. Na Costa Vicentina, a Eni/Galp detém três concessões. O consórcio supra-referido vai ainda fazer uma pesquisa ao largo de Peniche, zona onde desistiu de três das quatro concessões que detinha.

Na busca pelo “ouro negro” ao longo do litoral português, uma “aventura” que se arrasta desde o executivo anterior, estavam outras empresas, mas o Governo de António Costa rasgou os contratos de concessão que tinha com o consórcio liderado pela Repsol (com a Partex) e com a Portfuel, do empresário Sousa Cintra, invocando diferentes incumprimentos contratuais.

Com eleições autárquicas à porta (que é como quem diz no dia 1 de Outubro), foi lançada uma campanha online com o intuito de fornecer aos eleitores “um quadro informativo relevante em relação à questão da exploração de petróleo e gás em Portugal”, conforme explicam os promotores ao blogue UniPlanet. “(…) Existem concessões em todo o litoral do país, desde o Porto até Vila Real de Santo António, assim como concessões em terra na Batalha e Pombal”, explicam, acrescentando que (…) mesmo os contratos cancelados poderão ser dados a outras empresas”.

Autarquias Livres de Petróleo E Gás é um site que indica quais os candidatos que apoiam as prospecções, quais os que disseram não e aqueles que não tomaram uma posição. “Estamos a fazer um esforço muito grande para contactar cada uma das candidaturas aos 58 municípios afectados pelas concessões petrolíferas, o que nem sempre é fácil, e estamos a solicitar aos cabeças de lista às Câmaras Municipais que assumam um compromisso por escrito em como se opõe à prospeção e exploração e em como tudo farão para as travar”, explicam os responsáveis desta campanha, que conta com o apoio de várias associações ambientalistas ou de defesa do património. O mapa será finalizado para apresentação pública no dia 16 de Setembro.

Previous Sketch For Syria: Siza Vieira e outros arquitectos desenham a reconstrução de um país destruído
Next Ilustrações simples de ideias complexas

Suggested Posts