NOS Alive com cartaz completo: tudo o que precisas de saber

Festival está esgotado há dois meses.

NOS Alive cartaz

The Weekend, The XX, Phoenix, Alt-J, Foo Fighters, The Kills, Depeche Mode, Imagine Dragons, Spoon, Kodaline, Royal Blood, Glass Animals, Wild Beasts, Savages, Warpaint, Cage The Elephant, Peaches, Fleet Foxes… Podíamos continuar mas com estes nomes já conseguimos fazer valer o nosso ponto: está aí mais uma edição (esgotada) do NOS Alive e mais um cartaz que pode provocar boas memórias a muitos festivaleiros.

A 11ª edição do festival que se estreou em 2007 como Oeiras Alive realiza-se de 6 a 9 de Julho, no Passeio Marítimo de Algés. Os concertos dividem-se por cinco palcos – o Palco NOS, que receberá os “cabeças-de-cartaz”; o Palco Heineken, que promete satisfazer os mais alternativos; o Palco NOS Clubbing, para os pés irrequietos; o EDP Fado Cafe, onde o fado, o blues e o swing têm lugar reservado numa cenografia inspirada na traça pombalina e que incluirá uma recriação do MAAT; e o Palco Coreto, com uma amostra da melhor música emergente em Portugal. À entrada, passas pelo pórtico do festival, também ele um palco, onde algumas bandas “iniciantes” poderão mostrar a sua música.

O NOS Alive conta ainda com um Palco Comédia, que terá desde talentos emergentes, como o “preto” Carlos Pereira, ou jovens que já estão a ganhar espaço, como Carlos Coutinho Vilhena, Guilherme Geirinhas ou Manuel Cardoso (três partes do ex-grupo Bumerangue), a veteranos como Salvador Martinha. Destaque ainda para a presença do britânico Daniel Sloss, que atingiu o estrelato logo na adolescência, tendo percorrido os maiores festivais de comédia e alguns talk shows norte-americanos. Fará neste NOS Alive a sua estreia em Portugal, no palco que costumava ter o naming da Caixa Geral de Depósitos.

Se tens o teu passe ou bilhete diário para o NOS Alive, toma atenção às seguintes indicações:

  • se vais de carro, tens estacionamento gratuito no centro comercial Alegro, em Alfragide, e podes depois apanhar um autocarro para o recinto (circulam de 30 em 30 minutos, entre as 16 horas da tarde e as 3 da manhã);
  • a Uber vai reactivar de 4 a 31 de Julho a opção uberPOOL, que permite que pessoas que se desloquem na mesma direcção e ao mesmo tempo possam partilhar a viagem, pagando menos pela sua deslocação. A Uber tem ainda disponível o agendamento de viagens, opção disponível também na concorrente Cabify – com a procura elevada que se prevê, esta pode ser a melhor opção para garantir um carro disponível;
  • a Transtrejo irá realizar três carreiras extra na ligação entre Cais do Sodré e Cacilhas às 3h00, 3h30 e 4h00 dos dias 7, 8 e 9. Para os festivaleiros que quiserem aproveitar as praias da Costa da Caparica, a operadora fluvial oferece ainda um desconto especial na viagem de ida e volta entre Belém e Trafaria;
  • a CP reforçará a oferta na Linha de Cascais com comboios que partem durante a noite de Algés com destino ao Cais do Sodré ou Cascais. Existirá ainda um comboio especial com destino ao Porto que partirá nos dias 7, 8 e 9 às 3h45 de Santa Apolónia (existirá um autocarro de ligação entre o recinto e a estação);
  • como habitual, a Carris reforçará a oferta na carreira nocturna 201 e prolongará o horário dos autocarros 723 e 750.

Uma edição esgotadíssima

A 11ª edição do NOS Alive não é a primeira esgotada, mas a primeira que esgotou a dois meses do início do evento. Em Maio, numa conferência de imprensa para dar a novidade, Álvaro Covões, director da Everything Is New (que organiza o festival), salientou ser “a primeira vez que um festival desta dimensão esgota antecipadamente” e garantiu que o recinto estará preparado para receber as 165 mil pessoas no total dos três dias.

Não existirão alterações na disposição dos palcos, mas novas facilidades que procuram reflectir a diversidade de público que vai ao NOS Alive. Este ano, existirá pela primeira vez um “acãopamento”, um espaço afastado do festival onde os donos poderão deixar os seus cães. Esta facilidade junta-se a outras já disponíveis nas edições anteriores e também gratuitas, nomeadamente o apoio a grávidas e os acessos facilitados a pessoas com mobilidade condicionada.

Na mesma conferência de imprensa, Álvaro Covões sublinhou o NOS Alive como produto turístico. Segundo um estudo promovido pela organização do festival, o mesmo tem um impacto de 55 milhões de euros na economia local. O promotor revelou que o orçamento deste ano foi de 8,5 milhões de euros, mais um milhão do que em 2016.

(fotos de Manuel Casanova/Shifter)

Previous Vodafone Paredes de Coura: cartaz fechado, tudo pronto para o festival
Next Porque é que é importante que saibas quem foi Simone Veil?