Os Google Glass… estão de volta

O projecto inicial acabou em 2015. Os últimos dois anos foram dedicados ao desenvolvimento de novas funcionalidades.

Depois de dois anos de limitações no desenvolvimento dos Glass, os óculos de realidade aumentada voltam numa Enterprise Edition. A nova estratégia para o produto conta com um novo equipamento e pretende aumentar a produtividade das empresas parceiras do projecto.

General Electric, DHL, Volkswagen e Samsung são alguns dos negócios que usam o novo programa da X (a empresa responsável pelos Glass, desde a criação da Alphabet, a empresa “mãe” da Google). Para melhorar o sistema, a empresa contou com o apoio de mais de 30 parceiros, que trabalharam no software durante os últimos dois anos.

O software facilita as anotações de um médico durante uma consulta (graças à Augmedix), por exemplo, ou até melhora em 15% a eficiência de uma entrega da DHL (com o apoio da Ubimax).

Os Glass são uns óculos inteligentes. No fundo, são compostos por um ecrã transparente que dá informações contextuais no campo de visão (realidade aumentada). Os Glass Enterprise Edition podem ser colocados por cima de óculos tradicionais ou de óculos de segurança.

De acordo com o The Next Web, estes óculos são mais leves, têm um melhor processador, bateria e câmara. Tal como os óculos da Snap, há também uma luz que acende para indicar o período de gravação.

A X já lista vários casos de sucesso da implementação do novo posicionamento dos Glass. Focada nas empresas desde a área da agricultura à saúde e com a ajuda de novos parceiros, a empresa pretende ressuscitar um projeto que esteve limitado durante dois anos. Os Google Glass estiveram à venda por 1500 dólares americanos, em 2013, mas a empresa percebeu que esse caminho não seria o mais correto.

Previous RuneScape, um clássico do Miniclip, vai chegar aos telemóveis
Next O Spotify ajuda-te a conhecer o teu perfil musical

Suggested Posts