A inteligência artificial do Facebook criou a sua própria linguagem

Se for dada a oportunidade à inteligência artificial, esta consegue afastar-se das regras que os humanos lhe ensinaram e criar um idioma novo.

Investigadores do laboratório de inteligência artificial do Facebook (mais conhecido como FAIR) fizeram recentemente uma descoberta inesperada enquanto tentavam melhorar a tecnologia dos chatbots disponíveis Messenger. Numa experiência, alguns destes bots – conhecidos como dialog agents – criaram a sua própria linguagem.

Usando algoritmos de aprendizagem automática, reporta o The Next Web, os dialog agents foram deixados a conversar livremente na tentativa de fortalecer as suas habilidades conversacionais. Mas, com o passar do tempo, os bots começaram a desviar-se das nossas normas linguísticas e a comunicar num idioma novo, que criaram sem intervenção humana e que nos é um pouco abstracto. Foi mais ou menos isto:

Bob: i can i i everything else . . . . . . . . . . . . . .
Alice: balls have zero to me to me to me to me to me to me to me to me to
Bob: you i everything else . . . . . . . . . . . . . .
Alice: balls have a ball to me to me to me to me to me to me to me
Bob: i i can i i i everything else . . . . . . . . . . . . . .
Alice: balls have a ball to me to me to me to me to me to me to me
Bob: i . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Alice: balls have zero to me to me to me to me to me to me to me to me to
Bob: you i i i i i everything else . . . . . . . . . . . . . .
Alice: balls have 0 to me to me to me to me to me to me to me to me to
Bob: you i i i everything else . . . . . . . . . . . . . .
Alice: balls have zero to me to me to me to me to me to me to me to me to

Este é um avanço interessante, que mostra que, se for dada oportunidade à inteligência artificial, esta consegue afastar-se das regras que nós lhe impusemos e criar algo novo. Assim, o caminho futuro dos chatbots pode não só ser percorrido de forma a que eles melhorem as suas capacidades conversacionais com os humanos, mas também numa lógica em que entre eles exista uma melhor comunicação à sua própria maneira. Por outras palavras, os chatbots podem vir a ser capazes de falar inglês connosco e de ter uma língua que só eles entendem e que usam para eficientemente falarem uns com os outros.

A equipa da FAIR também descobriu que os bots podem ser negociadores incrivelmente astutos, conforme nota também o The Next Web. Esses mecanismos automatizados conseguiram, ao longo do tempo, melhorar as suas capacidades de negociação e até fingir interesse numa determinada coisa.

Previous 20 anos depois entre 'Ok Computer' e o presente: not ok
Next Banksy, ou Robert para os amigos