Um guia essencial para descobrir Portugal de bicicleta

A Rede Nacional de Cicloturismo é um projecto voluntário com 12 ecovias para descobrires a riqueza patrimonial e humana de Portugal.

ecovias portugal de bicicleta

Em 2010, Paulo Guerra dos Santos, engenheiro civil, aventurou-se numa viagem de quatro meses à volta de Portugal, exclusivamente de bicicleta. Durante os mais de 4500 quilómetros pedalados, apercebeu-se da “riqueza patrimonial e humana do país” e de rotas cicláveis que facilmente permitem descobrir essas “diferentes envolventes cénicas”.

Assim, nasceu a Rede Nacional de Cicloturismo – um projecto através do qual Paulo quer dar a conhecer aos outros caminhos de lés a lés de Portugal que podem ser percorridos de bicicleta, em segurança. Esta Rede, lançada em 2015, tem sido actualizada anualmente e a edição de 2017 já está disponível online, por 32,50 euros.

O valor é uma contribuição para assegurar a “sustentabilidade económica do projecto”, explica-nos Paulo através de chat, e também um negócio justo por um PDF com mapas pormenorizados de 12 ecovias diferentes, recomendações de paragem e outras indicações úteis. No livro, de 100 páginas, encontras  sugeridas rotas curtas para quem tem pouco tempo, bem como informações sobre comboios que permitem o transporte de bicicletas.

Cada ecovia está dividida em troços de 30-50 quilómetros, podendo cada um ser percorrido sem dificuldade durante um dia. Os mapas podem ser impressos ou carregados directamente através do ficheiro GPS no teu telemóvel, recebendo direcções de onde virar e para onde ir.

Até 2025, Paulo tem como objectivo acrescentar 4307 quilómetros à Rede Nacional de Cicloturismo, de forma a “alcançar o objectivo proposto de 7000 quilómetros de rede”. Para tal, conta com o apoio de alguns amigos e patrocínios, como a Orbita ou a Philips. Paulo tem 44 anos, estudou robótica industrial e política pública – duas áreas que lhe deram conhecimentos sobre desenho assistido por computador (CAD) para projectos de estrada e regulações sobre cicloturismo e o seu impacto económico a nível local e nacional, que se revelaram importantes para o desenvolvido desta Rede. A experiência enquanto ciclista é também importante. “Desloco-me diariamente de bicicleta e pontualmente de carro”, confessa – Paulo reside em Lisboa.

A Rede Nacional de Cicloturismo é para todas as idades e perfis, para iniciantes e avançados, para portugueses e turistas. Tem trajectos de maior dificuldade mas, de uma forma geral, as ecovias são acessíveis, uma vez que incluem estradas pouco movimentadas ou percursos rurais sossegados“Ainda há dias, cruzei-se com um casal francês de reformados que estavam a fazer as suas férias a pedalar por Portugal. Vêm cá pedalar mais de 2000 kms pelas diversas secções da rede que já estão identificadas, durante mês e meio”, conta.

(foto de FF Mira, via Flickr)

Previous E3 2017 apresenta algumas inovações e alimenta a nova geração de consolas
Next Como era e como é: o wallpaper mais famoso de sempre 20 anos depois

Suggested Posts