A China está a construir uma cidade florestal para combater a poluição

O principal objectivo será criar uma cidade auto-sustentável, com recurso a energia geotérmica e solar.

cidade florestal

A China, um dos principais emissores de gases poluentes, continua passo-a-passo a por um caminho ligeiramente mais verde, na tentativa de reduzir ou compensar a produção de gases tóxicos. A construção de uma das primeiras cidades florestais do mundo apresenta-se como um projecto pioneiro na área do urbanismo e da sustentabilidade e é a materialização dessa mudança de atitude.

A nova cidade florestal de Liuzhou será construída a norte de Liuzhou, na região montanhosa de Guangxi, localizada na parte sul da China, numa área de 175 hectares ao longo do rio Liujiang.

Projetada pelo arquitecto italiano Stefano Boeri, a nova cidade tem a capacidade para acolher 30 mil pessoas, cerca de 1 milhão de plantas de 100 espécies diferentes e aproximadamente 40 mil árvores, plantadas nas fachadas de quase todas as superfícies possíveis e imagináveis. Graças à abundância de flora, esta cidade verde terá capacidade para absorver perto de 10 mil toneladas de CO2, num total 57 toneladas de gases poluentes, e de produzir aproximadamente 900 toneladas de oxigénio por ano. Desta forma será possível diminuir a temperatura média do ar, criar barreiras de ruído, melhorando em todos os aspectos qualidade de vida do ecossistema e das cidades emergentes. Espera-se também, como consequência, um aumento geral da biodiversidade do local.

O principal objectivo é criar uma cidade auto-sustentável, com recurso a energia solar e geotérmica. A nova cidade florestal de Liuzhou vai estar ligada a Liuzhou através de serviços ferroviários e carros eléctricos. Também estão nos planos escolas, escritórios, hotéis, espaços comerciais e recreativos e a construção de dois hospitais.

“The diffusion of plants, not only in the parks and gardens or along the streets, but also over building facades, will allow the energy self-sufficient city to contribute to improve the air quality (absorbing both CO2 and fine dust of 57 tons per year), to decrease the average air temperature, to create noise barriers and to improve the biodiversity of living species, generating the habitat for birds, insects and small animals that inhabit the Liuzhou territory”

Previous Julho sem plástico. Alinhas?
Next ‘Death Note’: o trailer de mais uma adaptação à americana