Banksy, ou Robert para os amigos

Perto de descobrir a identidade de Banksy, será que queremos mesmo saber?

Num mundo com cada vez menos mistérios verdadeiramente interessantes, é no universo das artes que persiste um dos segredos mais bem guardados dos últimos anos – que nem toda a tecnologia até agora inventada foi capaz de resolver: a identidade de Banksy. Ou talvez dos Banksy?

Pouco se sabe e muito se tem especulado mas esses tempos parecem estar cada vez mais próximos do fim, com uma série de pistas (umas mais sólidas que outras) a apontar para um nome de quem há uns anos ninguém suspeitaria: Robert Del Naja, membro fundador dos Massive Attack.

Esta tem sido, sem margem para dúvida, a tese que mais se tem solidifcado nos últimos anos, relegando todas as outras para o plano de onde normalmente nunca deviam ter sido: busca por atenção ou pura teoria da conspiração.

Mas vamos aos factos, ou melhor, às pistas. Em 2008, cientistas da Queen Mary University experimentaram um método de localização recorrendo ao cruzamento de estatística e geografia e apontaram Robin Gunningham como o mais provável Banksy – o modelo cientifico deu crédito aos jornais mas não convenceu os seguidores do fenómeno nem acalmou as teorias. Foi então que há pouco mais de um ano um jornalista de investigação se dedicou à causa e apresentou ao público uma teoria diferente, sendo o primeiro a apontar Del Naja como o homem na sombra.

A teoria assentava sobretudo na proximidade entre as obras de Banksy e os concertos dos Massive Attack mas não se ficava por aí a série de pontos em comum entre Del Naja (conhecido artista visual que até assinou capas da própria banda) e Banksy, como o estilo das peças e amigos em comum. Del Naja não demorou a reagir e foi peremptório, a meio de um concerto, retomando o mistério com um “We are all Banksy”, acabando por acrescentar mais tarde que o artista de rua é seu amigo pessoal. Poucos foram realmente convencidos mas deu-se o beneficio da dúvida em prol do encantador misterioso autor por de trás de algumas das peças mais impactantes do mundo.

Se por um lado Del Naja encaixava que nem uma luva no perfil artístico conhecido, a forma como fugiu à resposta e até a amplitude do trabalho de Banksy pareciam pedir uma resposta diferente – como Del Naja sugeriu talvez uma identidade colectiva fosse mais convincente.

Agora e quando nada o fazia esperar surge mais uma pista dúbia sobre a identidade secreta – desta vez oferecida por lapso por DJ Goldie. Foi numa entrevista em podcast e enquanto traçava considerações sobre o trabalho de Banksy que Goldie, amigo de longa data de Del Naja, deixou escapar um comprometedor “Robert” muito mal disfarçado à posteriori.

“Give me a bubble letter and put it on a t-shirt and write ‘Banksy’ on it and we’re sorted. We can sell it now. (…) No disrespect to Robert, I think he is a brilliant artist. I think he has flipped the world of art over.”

A proximidade de longa data entre Goldie e Robert foi o que bastou para dar força à teoria e por todo o lado multiplicam-se as notícias sobre a VERDADEIRA identidade de Banksy. Mas será que é desta? E será que isso importa e vai mudar alguma coisa? Se por um lado a curiosidade nos pede respostas, por outro o interesse pela arte do anónimo preferia viver o sonho. Mais importante do que perceber com exactidão se Banksy é Del Naja, talvez sejam as razões que levam um dos artistas mais conceituados do mundo a trabalhar sob pseudónimo e a égide do segredo. A forma como se escondeu num mundo de publicidade terá de ser sempre considerada como uma das suas maiores obras de arte.

Previous A inteligência artificial do Facebook criou a sua própria linguagem
Next Photographs of Films: um filme inteiro em apenas uma fotografia

Suggested Posts