The Lazy Faithful descem ao Musicbox para apresentar novo álbum

Temos 5 convites simples para oferecer.

The Lazy Faithful

Quase três anos após terem lançado o seu álbum de estreia Easy Target, os The Lazy Faithfull editaram no final de Março Bringer of Good Time, um disco que nos deixa novamente rendidos à banda portuense e que será apresentado dia 22 no Musicbox, em Lisboa.

Das nove faixas de Bringer of Good Time, que vais poder ouvir no sábado, destacam-se os dois singles“Nukin In The Cookin”“There Was a Light”. O último deles teve direito a video:

O Musicbox abre as portas às 22 horas com os The Lazy Faithfull a começarem às 23, depois de uma primeira parte com os Panado. Os bilhetes custam 5 euros e podem ser adquiridos na Bilheteira Online. O Shifter tem 5 bilhetes simples, para te habilitares só tens de enviar e-mail para passatempo@shifter.pt com uma reacção genuína a Bringer of a Good Time. As mais originais e emocionadas ganham. 

Enquanto te preparas para este concerto de Tommy Hogg, João Ramos, Rafael “Silver” e Boga, podes ler uma crítica do Manel Cruz, líder dos ex-Ornatos Violeta, a este Bringer of Good Time:

Felizmente não existe um consenso público em relação a nada do que criamos. Assim garantimos que haverá sempre alguém para quem o nosso trabalho é importante.

O que se diz acerca de um trabalho vale por isso o que vale. Ainda mais quando temos de passar a palavras algo que é apenas uma sensação. Por isso mesmo é que se cria, para encontrar formas alternativas de se comunicar, com ferramentas mais sensoriais, tentando assim fugir à mera descrição verbal de um sentimento, reconvertendo essa emoção numa outra.

O que eu tenho para dizer deste disco di-lo-ia melhor em música, mas é de música que se trata e por isso seria uma redundância. Só posso dizer que chego de manhã ao estúdio e tenho vontade de preencher o silêncio com estas músicas, tenho-as ouvido vezes sem conta.

Sabe-me bem, mexem comigo, fazem a minha cabeça esquecer-se que vive no pescoço. Conheço o Tommy há muito tempo e foi desde o início uma surpresa constante, pela autenticidade, brilho e pela forma natural como cria. É daquelas pessoas que parecem ter nascido criativamente maduras. Toda a banda está, a meu ver, de parabéns pela composição, arranjos e som que conseguiu.

Valeu a pena a dedicação e sofrimento por que tiveram de passar. Criaram mais uma realidade alternativa neste mundo, uma ilha de som que, pelo menos eu, irei de certo, volta e meia, visitar. Obrigado aos trazedores de bons momentos.

Há mais passatempos para o Musicbox aqui.

Previous Pages, Keynote, Numbers, iMovie e GarageBand são agora gratuitos
Next Mac DeMarco autoriza os fãs a sacar o seu novo disco do Pirate Bay