O rescaldo da 1ª volta das eleições francesas

Macron e Le Pen irão disputar a 2ª volta.

eleições francesas
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Soavam as 20 horas em França, menos 1 hora em Portugal, quando as primeiras sondagens surgiram indicando a vitória de Emmanuel Macron, destacado dos outros adversários. Passado umas horas, os resultados oficiais corroboravam os números das sondagens. Macron seguia para a segunda volta com 23,75% dos votos, juntamente com Marine Le Pen que obteve 21,53%. A fechar o pódio e fora dos lugares de acesso à nova ronda eleitoral surge François Fillon, o candidato conservador acolheu 19,91% das preferências dos eleitores. Em 4º lugar ficou o candidato comunista Jean-Luc Mélenchon, com 19,64% menos umas décimas que o candidato conservador.

As reacções dos candidatos não tardaram. Passados alguns minutos das 20 horas, surgiam os discursos dos derrotados. Benoit Hamon foi o primeiro a falar. O candidato socialista que obteve cerca de 6% dos votos (resultado inferior ao que as sondagens apontavam) assumiu o desaire do PS e de seguida apelou ao voto em Macron com vista à derrota da Frente Nacional na segunda volta das eleições francesas de 2017. “Eu sei bem a diferença entre um adversário político e um inimigo da República”, disse Hamon no discurso de derrota. Também Manuel Valls, ex-Primeiro Ministro francês e candidato derrotado nas primárias socialistas, expressou o seu apoio a Macron na segunda volta eleitoral.

De seguida foi a vez de François Fillon assumir a derrota dos republicanos. Fillon, que verá pela primeira vez o partido não alcançar a segunda volta das eleições, não hesitou em dar a mão ao candidato independente do movimento En Marche!, Emmanuel Macron, assumindo que “não há outra escolha senão a de votar contra a extrema-direita”. O derrotado nas primárias republicanas, Alain Juppé declarou de igual forma o apoio a Macron para a segunda volta.

Jean-Luc Mélenchon foi a surpresa da noite. Além dos resultados expressivos que obteve, fazendo autenticamente uma corrida de trás para a frente, não revelou quem irá apoiar na segunda volta. Num discurso pautado pela cautela quanto aos números finais da primeira volta, afirmou que irá devolver a palavra aos militantes e será deles a decisão em apoiar Le Pen ou Macron.

Para o fim ficaram os vencedores. Marine Le Pen falou num resultado histórico e assumiu-se como a candidata do povo. Ficou claro nas palavras de Le Pen que a campanha da segunda volta será direccionada numa lógica dicotómica: “As pessoas ou o sistema? Le Pen ou Macron?”. A candidata terá agora uma árdua tarefa de acolher eleitorado em franjas de franceses que votaram em candidatos que já assumiram o apoio em Macron. A chave de um bom resultado para o partido de extrema direita poderá estar nos votantes de Mélenchon.

Emmanuel Macron subiu ao palanque e celebrou a vitória nesta primeira volta. Num discurso reiterado pela persistência e pelo agradecimento aos seus apoiantes, o candidato assumiu que a primeira fase foi ultrapassada mas que ainda há um caminho a percorrer. Apontando um cenário futuro sorridente e próspero, depositou nos apoiantes a força do seu movimento: “Vocês são a cara de uma nova esperança em França.”

O presidente francês François Hollande expressou nas últimas horas o apoio a Macron, afirmando que Le Pen é um risco para o país. O próximo debate eleitoral realiza-se no dia 3 de Maio e vai colocar frente a frente Marine Le Pen e Emmanuel Macron.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.