Está quase… IndieLisboa vai animar a capital com muito cinema de autor

Festival acontece de 3 a 14 de Maio.

Colo, de Teresa Villaverde, é o filme de abertura da 14º edição do IndieLisboa e será exibido no dia 3 de Maio no Cinema São Jorge. I Am Not Your Negro, o documentário de Raoul Peck com James Baldwin, é a sessão de encerramento do festival, a 14 de Maio no Grande Auditório da Culturgest. Durante duas semanas, existirá muito cinema independente para ver na capital, uma boa parte dele de autoria portuguesa.

Traduzido em número,s de 3 a 14 de Maio, o IndieLisboa terá 296 filmes, 45 dos quais são portugueses, possibilitado por um orçamento de 1 061 500 euros, ligeiramente superior ao ano passado.

Em competição, estarão seis longas-metragens nacionais, a maioria em estreia mundial, e 18 curtas-metragens. Nas longas estão presentes filmes de Jorge Cramez, Rosa Coutinho Cabral, André Valentim Almeida, Miguel Clara Vasconcelos, Pedro Maia e Susana de Sousa Dias. Nas curtas, há filmes de André Gil Mata, Diogo Costa Amarante, Salomé Lamas, Leonor Noivo e Joana Pimenta, alguns já exibidos noutros festivais.

Colo, o primeiro da lista, teve estreia mundial no Festival de Cinema de Berlim. É uma reflexão muito actual, e quase serena, sobre o nosso caminho comum como sociedades europeias de hoje, sobre o nosso isolamento, a nossa perplexidade perante as dificuldades que nos vão surgindo, sobre a nossa vida nas cidades e dentro das nossas famílias. Realizado por Teresa Villaverde, é um filme em tensão crescente que nunca chega a explodir.

A fechar o IndieLisboa estará I Am Not Your Negro. O ambicioso projecto de James Baldwin, Remember This House, poderia ter sido um dos grandes livros sobre a história negra dos Estados Unidos da América. O documento, que serviria para contar a história de Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Jr, nunca saiu da gaveta do autor, que acabaria por falecer com apenas 30 páginas escritas. Com I Am Not Your Negro, Raoul Peck parte desta história para fazer uma radiografia sobre a lutas pelos direitos civis nos EUA, problematizando as questões de raça em Hollywood e na sociedade americana dos últimos 30 anos. Com narração de Samuel L. Jackson, o documentário usa as palavras originais de Baldwin e material de arquivo inédito. O filme é apresentado em ante-estreia e terá depois estreia comercial a 18 de Maio pela distribuidora Midas Filmes.

Pela primeira vez desde o nascimento do festival, o IndieLisboa vai premiar as melhores curtas metragens nas categorias de Animação, Ficção e Documentário, para além da atribuição do Grande Prémio de Curta Metragem. Uma decisão que, segundo a organização, comprova o espaço que esta secção tem vindo a conquistar na descoberta daqueles que serão os grandes cineastas do futuro. Já os “heróis independentes” desta edição serão o realizador norte-americano Jem Cohen e o cineasta francês Paul Vecchiali – ambos estarão em Lisboa. E o IndieMusic conta com filmes sobre os Oasis, os Sleaford Mods, James Lavelle, rank Zappa e Tony Conrad.

A programação completa do festival pode ser consultada aqui. Os bilhetes para o IndieLisboa já estão à venda.

Previous O Snapchat já tem o que o Facebook só anunciou
Next O IndieLisboa também acontece à noite

Suggested Posts