CNN vai fazer jornalismo em realidade virtual

Empresa promete distribuir conteúdos 360º em diferido e em directo.

Se a realidade virtual vingar como a próxima plataforma de conteúdos, a CNN vai lá estar. A empresa de media norte-americana anunciou o lançamento da marca CNNVR para designar a sua nova unidade de jornalismo imersivo, integrada na equipa da CNN Digital.

A CNNVR terá repórteres espalhados por 12 cidades mundiais – Nova Iorque, Atlanta, Londres, Hong Kong, São Francisco, Dubai, Joanesburgo, Tóquio e Beijing – e promete cobrir acontecimentos relevantes em realidade virtual, através de vídeos 360º ou outros formatos que nos “transportem” enquando espectadores para os locais das notícias.

A nova plataforma de realidade virtual da CNN estará presente no maior número de equipamentos possível, de forma a abranger um público-vasto – a CNNVR vai publicar no Facebook e no site cnn.com/vr; está presente nas apps da CNN para iOS e Android; e pode ser experienciada através do Oculus Rift, do Gear VR e de telemóveis Android com Daydream.

Apesar de estar agora a lançar uma marca para conteúdos de realidade virtual, a CNN não é novata no formato, tendo produzido mais de 50 histórias em vídeos 360º no último ano, “dando aos espectadores um entendimento aprofundado da devastação de Aleppo, um lugar na primeira fila na tomada de posse do novo Presidente norte-americano e a oportunidade de experienciar a emoção do pára-quedismo, conforme se lê numa nota de imprensa. A CNN diz que estes conteúdos imersivos geraram mais de 30 milhões de visualizações só no Facebook.

Em entrevista à revista Variety, o vice-presidente da CNN, Jason Farkas, disse que a realidade virtual será o terceiro grande pilar na distribuição de conteúdos da CNN, depois da televisão e do digital. O responsável adiantou que a aposta da CNNVR estende-se a conteúdos em directo. “Se escolhermos o evento certo, os directos em 360º vão ter um futuro brilhante”, disse.

A CNNVR é mais uma aposta da CNN em novos formatos digitais. Em Novembro último, a empresa de media comprou a aplicação de vídeo de Casey Neistat, Beme, e vai aproveitar o youtuber e também filmmaker para se aproximar de uma audiência importante: os millenials.

Previous Esta árvore em Lisboa tem wi-fi e carrega telemóveis de graça
Next Depois deste vídeo, vais pensar duas vezes antes de estacionares o carro