‘Silence’, de Martin Scorsese, inspira programação gratuita do Museu do Oriente


Silence, a mais recente obra do realizador norte-americano Martin Scorsese, sobre a tumultuosa história do Cristianismo no Japão, inspira um programa de iniciativas gratuitas no Museu do Oriente, de 11 a 28 de Janeiro, centradas no contexto histórico e religioso do relacionamento entre Portugal e o Japão.

Organizado em parceria pela Fundação Oriente, a Companhia de Jesus em Portugal e a NOS Audiovisuais, o programa inicia-se com a conferência “Portugal e o Japão: história de um sucesso mal sucedido”, no dia 11 de Janeiro, às 18 horas, que conta com a participação do Padre José Frazão (Provincial dos Jesuítas), do historiador João Paulo Oliveira e Costa e de Clara Ferreira Alves (jornalista), e com moderação de Joaquim Franco (jornalista). A entrada é gratuita, mediante inscrição.

Em três visitas guiadas à exposição Presença Portuguesa na Ásia – a 14, 21 e 28 de Janeiro, às 16 horas –, peças seleccionadas servem de ponto de partida para explorar diferentes perspectivas da história do relacionamento Portugal-Japão e o seu legado. A primeira, orientada pelo Padre António Júlio Trigueiros, é subordinada ao tema “Xavier: o começo da missão no Japão”, seguindo-se “Presenças jesuítas na colecção do Museu do Oriente” (por Joana Belard da Fonseca, do Museu do Oriente) e “O Cristianismo no Oriente” (pelo historiador João Paulo Costa).

  • 14 de Janeiro: “Xavier: o começo da Missão do Japão”, visita guiada pelo Padre António Júlio Trigueiros
  • 21 de Janeiro: “Presenças Jesuítas na coleção do Museu do Oriente”, visita guiada por Joana Belard da Fonseca (Museu do Oriente)
  • 28 de Janeiro: “O Cristianismo no Oriente”, visita guiada pelo historiador João Paulo Oliveira e Costa

Silence remonta ao século XVII, quando dois padres jesuítas portugueses – Sebastião Rodrigues e Francisco Garrpe – viajam até ao Japão, sob ordens da Igreja, na esperança de encontrarem o seu mentor, o padre Cristóvão Ferreira, que alegadamente cometeu apostasia. Nas terras nipónicas sob o regime do Xogunato Tokugawa, que baniu o Catolicismo e quase todo o contacto com o estrangeiro, os dois jovens religiosos testemunham a perseguição dos cristãos japoneses pela mão do seu próprio Governo. Eventualmente, o par separa-se com Rodrigues a viajar até ao campo, interrogando-se sobre o silêncio de Deus face ao sofrimento dos seus filhos.

O filme estreia a 19 de Janeiro, em Portugal, e é uma adaptação do romance homónimo de Shusaku Edo, com Liam Neeson, Andrew Garfield e Adam Drive no elenco.

Previous Phoenix regressam para o NOS Alive 2017
Next São Jorge recebe ciclo de cinema e conversa sobre jornalismo

Suggested Posts