Crocodilos são esfolados vivos no Vietname para fazer malas de luxo

Não podemos fechar os olhos a estas imagens.

Um vídeo bastante gráfico, partilhado pela People for The Ethical Treatment of Animals (PETA), expõe como marcas de luxo como a Louis Vuitton fabricam os seus produtos usando pele de “dezenas de milhares de crocodilos capturados e violentamente mortos no Vietnam”.

A organização não governamental que desde 1980 se dedica aos direitos dos animais partilhou o vídeo como resultado de uma investigação secreta realizada em duas fábricas que “fornecem peles de crocodilo à empresa-mãe da Louis Vuitton, a LVMH, e a algumas das maiores marcas”, escreve a PETA num site onde explica, imagem a imagem, as diferentes etapas a que os animais são sujeitos

“Por favor, vê o que a compra de malas, cintos e pulseiras de pele de crocodilo podem estar a apoiar e, de seguida, faz algo para parar este abuso”, apela a PETA.

A organização está a recolher assinaturas nesta página.

A PETA já tinha casos semelhantes a este do Vietnam noutros continentes, e a história é sempre a mesma: os animais são expostos a condições severas e são abatidos violentamente. Várias empresas, contudo, já proibiram peles exóticas, incluindo a Adidas, Adolfo Dominguez, Ann Inc, Arcadia Group (proprietária da Topshop), ASOS, Bebe, H&M, L Brands (dona da Victoria’s Secret), Mango, Nike, Nine West, Overstock.com e Puma. O Vietnam exporta cerca de 30 mil peles de crocodilo por ano.

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Jornalista, adepto de cidades humanas e curioso por ideias que melhorem o país. Co-fundei o Shifter em 2013, sou desde 2020 coordenador do projecto editorial Lisboa Para Pessoas.

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Ainda em testes

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt