‘Stranger Things’: do melhor que o Netflix te traz este Verão

A série de que toda a gente fala.

Quando entramos na época veranil somos confrontados com duas coisas: a primeira, que a fase das principais séries americanas chegaram ao fim. A segunda, que as séries que surgem nesta altura não costumam estar ao nível das de inverno. Porém o Netflix é capaz de contrariar esta tendência e, como tal, surge Stranger Things.

Provavelmente já te deparaste com posts sobre ela no Facebook ou noutra qualquer rede social. Este foi dos poucos casos em que me deixei persuadir pela “publicidade” e garanto que não me arrependo nada.

Stranger Things, visto a olho nu, é centrada no desaparecimento de Will Bryers, após uma noite de jogos de tabuleiro na cave de Mike Wheeler, no qual também participaram Dustin e Lucas.

Até aqui não parece uma história que vá muito para além do comum, porém o que realmente me cativou foram as diversas referências que foram surgindo ao longo da série. O primeiro detalhe a ter em conta é o facto de tudo se passar em 1983. O retrato desta época é extremamente detalhado, desde a estratificação das diferentes famílias até aos diversos indícios de que os EUA estariam à beira do boom tecnológico, proporcionado pela eminente guerra fria travada com a Rússia comunista.

strangerthings_02

O segundo detalhe – e este é empolgante para o público mais geek – o jogo de tabuleiro que os quatro rapazes estariam a jogar na cave era Dungeons & Dragons. Para quem não está familiarizado, este é um dos primórdios dos RPG (Role Playing Game). Cada jogador possui uma personagem e, através de uma história criada previamente, tem de percorrer os diferentes desafios estabelecidos. Jogos como World of Warcraft vêm beber muito deste que é um dos jogos mais consagrados da história.

O terceiro detalhe surge em forma de presságio. Ainda relacionado com o D&D, aparece o que diríamos ser o Boss final, Demogorgon. Descrito como o príncipe dos demónios, esta criatura mítica surge no tabuleiro de jogo na vez de Will jogar. A personagem tem de decidir se usa uma protecção ou se usa a bola de fogo e, após lançar os dados, estes vão parar para fora do tabuleiro, deixando o grupo de amigos na incógnita. Sem ninguém saber, Will recupera os dados e mostra ao Lucas. Tinha calhado 7, significando que este foi derrotado. Apercebendo-se de que já era tarde, Will, Dustin e Lucas decidem ir para casa e, eis que no caminho, quando só restava Will por ser o que morava mais longe, aparece uma criatura sobrenatural semelhante a Demogorgon. É aí que se dá o seu desaparecimento.

Se ainda não ficaste convencido com estas referências, podemos ainda dizer-te que a ponta do Iceberg de Stranger Things é o envolvimento do governo norte-americano e dos seus projectos secretos, fazendo uma enorme referência ao MK Ultra, um projecto levado a cabo pelo CIA, que implicava o uso de drogas com o LSD numa tentativa de controlar a mente das cobaias. Este é um dos detalhes mais realistas da série, que surge como uma enorme crítica ao universo subversivo do mais conhecido serviço de inteligência do mundo.

Atenção, assim que começas não vais querer parar e a parte boa é mesmo essa, é que o Netflix, como é costume, disponibilizou a primeira temporada toda. Por isso, arranja um dia ou dois para ficares em casa em frente à ventoinha a deliciares-te com um dos melhores Thrillers deste ano.

Se és fã da série e gostavas de personalizar a icónica imagem da série acede aqui.

(actualizado a 17 de Agosto)

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Colaborador da secção de música do Shifter, com um gosto eclético e transversal aos mais variados géneros musicais. Faz tudo o que tenha a ver com música, menos tocar.

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt