“Yes We Khan”: o primeiro muçulmano na câmara de Londres


Uma campanha difícil, marcada por dois lados antagónicos. De um lado, Zac Goldsmith, conservador e membro da elite inglesa e, do outro, Sadiq Khan, muçulmano, do partido trabalhista. Os resultados foram bastante claros com Khan a conseguir 44% dos votos favoráveis à presidência da câmara londrina, contra apenas 35% de Goldsmith.

Durante a campanha, Goldsmith difamou Khan, acusando-o de estar associado a extremistas muçulmanos. Uma estratégia que, no entanto, parece ter-se virado contra os conservadores. Khan ripostou, afirmando que, desde sempre, combateu o extremismo e pediu aos eleitores para escolherem “a esperança e não o medo.”

Esta vitória é uma óptima notícia para o líder trabalhista Jeremy Corbyn que não tardou em reagir aos resultados eleitorais no Twitter a felicitar o novo presidente da câmara de Londres, afirmando que conta com a sua ajuda para a construção de uma cidade “justa para todos.”


Também Bill de Blasio, mayor de Nova Iorque, se fez ouvir nas redes sociais ao comentar que está “ansioso” por trabalhar com Khan.

Muitos cibernautas estão também a reagir a esta vitória, divulgando, nas redes sociais, publicações com o hashtag #YesWeKhan, uma analogia da frase que conduziu Obama à Casa Branca com o apelido de Sadiq.

Khan tem 45 anos e é filho de pais imigrantes paquistaneses, tornando-se, assim, o primeiro muçulmano à frente de uma capital europeia. Sucede a Boris Johnson e tem agora pela frente uma cidade com problemas que requerem uma solução urgente, como os preços das rendas, os transportes e os elevados níveis de poluição.

Foto por: Alex Lentati