Como o Facebook promete resolver o problema do roubo de vídeos


Roubar vídeos a canais de YouTube ou páginas de Facebook para partilhar em perfis ou outras páginas é, infelizmente, uma prática recorrente na rede social. Contudo, o Facebook vai agora resolver este problema, conhecido como “freebooting” e que está bem explicado neste vídeo.

Chama-se Rights Manager e é basicamente a versão do Facebook do Content ID do YouTube. Esta ferramenta, disponível para páginas, permite-lhes fazer o upload de clips de vídeo que não querem que outros usem. O Facebook vai monitorizar eventuais cópias desses vídeos na rede social, alertando quem os partilhou e/ou eliminando o conteúdo.

Aliás, através do Rights Manager, as páginas podem definir o que é que acontece às cópias consoante a quantidade do vídeo que foi “roubada”, que página repartilhou e quantas visualizações teve o conteúdo copiado. Por exemplo, é possível definir que um certo conjunto de páginas pode republicar os nossos vídeos ou escolher não penalizar quem apenas copiou um excerto.

fbrightsmanager_02

O Rights Manager também permite aos criadores de conteúdo fazer, para uma lista privada, o upload de vídeos que não querem que ninguém reuse no Facebook. Isto pode ser extremamente útil para youtubers que gostam de manter o seu conteúdo no YouTube.

Os vídeos em directo também podem ser monitorizados, para evitar, por exemplo, que alguém faça um Live a filmar uma televisão com um jogo de futebol.

O Rights Manager não está, para já, aberto a todos, mas os criadores de conteúdo interessados podem registar-se aqui. É um primeiro passo para o fim do freebooting no Facebook. Contudo, existem algumas funcionalidades em falta: os autores não podem, por exemplo, ganhar dinheiro com a republicação dos seus vídeos – algo que o Content ID do YouTube permite.