Mark Zuckerberg tentou dar net gratuita à Índia e ao Egipto. Não funcionou


Em 2013, o Facebook e outras empresas aventuraram-se num ambicioso e estratégico projecto de conectar todo o mundo à Internet. Apropriadamente intitulado,o de Internet.org, esta iniciativa é hoje responsável por ligar à grande rede cerca de mil milhões de pessoas que anteriormente estavam desconectadas, através do serviço Free Basics, Este serviço oferece net gratuita a um número limitado de serviços online, como o Facebook, o Messenger, a Wikipédia, o Google Search ou o AccuWeather. Está disponível em vários países; a Índia e o Egipto deixaram de integrar essa lista.

O Free Basics dá acesso gratuito a um número limitado de serviços online, como o Facebook, o Messenger, a Wikipédia, o Google Search ou o AccuWeather. Está disponível em vários países; a Índia e o Egipto deixaram de integrar essa lista.

Internet.org bloqueado na Índia

Isto porque o Free Basics foi bloqueado em ambos os países pelas autoridades locais, devido a conflitos com a lei. O regulador indiano para as telecomunicações – Telecom Regulatory Authority of India (TRAI) – considera que o Internet.org e iniciativas semelhantes violam o princípio da neutralidade da net, por favorecer determinados serviços em detrimento de outros.

internetorgindiaegipto_02

“Por exemplo, ao consumidor não pode ser cobrado um valor diferente tendo por base o facto de navegar na rede social A ou B, ou se está a ver streaming de videos ou a fazer compras na Internet”, decretou o TRAI. A entidade daquela que é a terceira maior economia asiática baniu do país todos os serviços que disponibilizam tarifas diferentes mediante os serviços e aplicações aos quais garantem acesso à Internet. “Para a formulação das regulações, a autoridade tem guiado-se pelos princípios da neutralidade da net de forma a garantir que os consumidores têm acesso não discriminatório à internet”, lê-se ainda no comunicado do TRAI.

“A nossa missão é tornar o mundo mais aberto e conectado. Essa missão continua, assim como o nosso compromisso com a Índia”, escreveu Mark Zuckerberg no seu perfil depois de saber do bloqueio. “Apesar de estarmos descontentes com a decisão de hoje, quero pessoalmente dizer que estamos comprometidos a quebrar as barreiras da conectividade na Índia e no resto do mundo. O Internet.org é feito de muitas iniciativas e vamos continuar a trabalhar até toda a gente ter acesso à Internet.”

Problemas também no Egipto

Desde o final do ano passado, o serviço Free Basics também está suspenso no Egipto, onde tinha sido lançado há menos de 2 meses. As razões não são claras. Segundo o BuzzFeed News, os oficiais egípcios dizem que foi um problema de licenciamento, mas outros dizem que foi censura do Governo e das autoridades locais.

As outras iniciativas do Internet.org

Apesar de o Free Basics ter sido, tradicionalmente, a peça central dos esforços do Internet.org, não é a única iniciativa deste projecto. O Facebook e os seus parceiros estão a trabalhar num ambicioso de drones, como o Aquila; e a promover o programa Express Wi-fi, que ajuda empreendedores locais a começar o seu próprio negócio de wi-fi. Em todo o mundo, o Internet.org é responsável por conectar cerca de 19 milhões de pessoas em 38 países.

Previous The Independent sai das bancas e passa a publicar exclusivamente online
Next Start-up portuguesa Veniam recebe 22 milhões para colocar wi-fi em autocarros e táxis