Suit up! Vamos a Marte


Vamos a Marte

Há cerca de um ano, a NASA anunciou que iria ser o público a decidir o aspecto dos novos fatos espaciais Z-2 para a missão a Marte que se encontra em fase de planeamento, através de uma votação aberta. Em cima da mesa estavam três conceitos distintos.

O primeiro, à esquerda na imagem, denominado “Technology”, não só presta homenagem aos fatos espaciais do passado como procura ser um look futurista, permitindo a identificação de astronautas de uma forma inovadora.

nasasuitupmars_02

Ao centro na imagem encontra-se o “Trends in Society”, com um design que se inspira no dia-a-dia, ou melhor, que poderá vir a ser um look casual num futuro não muito longínquo, usando como referência linhas de roupa desportiva.

Por fim, à direita, o conceito “Biomimicry” associa-se ao fundo do mar, um ambiente terrestre com muitos aspectos que se assemelham aos rigores do espaço. Onde as criaturas bioluminescentes das profundezas, protegidas por escamas, serviram de inspiração no design deste fato.

A votação foi ganha pelo “Technology” com 233,431 votos, perfazendo um total de 63% da votação. Mas foi só recentemente, ao fim de um ano e meio, que a NASA finalmente mostrou ao mundo o aspecto final no novo fato Z-2 com o design vencedor, e não desiludiu.

Eis uma das primeiras versões do “Technology”:

nasasuitupmars_03

E agora a versão actual:

nasasuitupmars_04

nasasuitupmars_05

nasasuitupmars_06

nasasuitupmars_07

Para além do look moderno e futurista com a iluminação electroluminescente, salta imediatamente à vista o objecto estranho nas costas do fato. Na realidade, aquela superfície branca não é mais que a porta de entrada para o fato. Este acesso facilitado, associado à grande flexibilidade do fato, irá ser muito importante para maximizar a produtividade dos astronautas na exploração da superfície marciana.

Segundo a NASA, “o Z-2 faz uso de materiais compostos avançados de forma a conseguir um fato leve, e de grande durabilidade que seja capaz de aguentar as missões de longa duração nos ambientes rigorosos de Marte”.

O Z-2 é também mais versátil no que toca a adaptação de cada fato às dimensões do utilizador, permitindo assim a utilização do mesmo fato por vários astronautas de diferentes tamanhos. Novos sistemas de suporte como sistemas de remoção de dióxido de carbono e de evaporação de água satisfazem as necessidades dos astronautas em termos de oxigénio, temperatura e pressão, conferindo um maior conforto na sua utilização.

A exploração é o foco dos fatos espaciais da série Z, e por esse motivo não os iremos ver nos passeios espaciais feitos na estação espacial internacional onde é utilizado um fato mais apropriado para o efeito, o Extravehicular Mobility Unit (EMU).

Nesta fase, os fatos ainda não estão prontos para o espaço, já que ainda falta providenciar este modelo com as defesas que irão proteger os astronautas de perigos como o impacto de micrometeoritos, os efeitos nocivos da exposição à radiação ou mesmo das temperaturas extremas.

Para já, o fato encontra-se a ser testado no laboratório de flutuação neutra no Johnson Space Center da NASA, onde se irá simular as condições que este iria encontrar em Marte. A partir destes testes irá ser criada uma nova iteração, o Z-3, e este sim, poderá vir a ser o fato com que o Homem irá finalmente pisar outro planeta.

Texto de: Pedro Almeida
Editado por: Mário Rui André