O registo fotográfico de 100 máquinas descartáveis oferecidas aos sem-abrigo de Londres


A Café Art, uma empresa britânica, distribuiu 100 máquinas fotográficas descartáveis Fujifilm por pessoas sem-abrigo em Londres, neste mês de Julho. E pediu-lhes o seguinte: que tirassem fotografias com o tema “My London”. Regressaram 80 máquinas, resultando em mais de 2500 imagens.

Depois de terem sido reveladas, o painel – que consiste em representantes da Fujifilm, Amateur Photographer, The London Photo Festival, Christie’s e Homeless Link – escolheu 20 para serem votadas pelo público, dentre as quais as melhores 13 fotografias serão convertidas num calendário 2016 para apoiar o projecto.

“Temos vários objectivos: ajudar as pessoas afectadas a ganhar poder, não só através da fotografia e arte, mas através de uma ligação com o público”, explica o site da Café Art. “O calendário também tem o objectivo de contar histórias de indivíduos afectados pela privação de alojamento, ajudando o publico a ganhar consciência através de uma perspectiva pessoal.”

A Café Art lançou uma campanha de Kickstarter a 20 de Agosto para ajudar a financiar o calendário. Embora a empresa britânica seja apoiada pela Royal Photographic Society, instituição que ofereceu breves sessões de treino aos fotógrafos, esta não financia o projecto.

Estas fotografias mostram um olhar único de como uma pessoa sem-abrigo experiencia uma das cidades mais caras do Mundo, Londres:

fotossemabrigolondres_02

fotossemabrigolondres_03

fotossemabrigolondres_04

fotossemabrigolondres_05

fotossemabrigolondres_06

fotossemabrigolondres_07

fotossemabrigolondres_08

fotossemabrigolondres_09

fotossemabrigolondres_10

fotossemabrigolondres_11

fotossemabrigolondres_12

Em Portugal também existiram iniciativas deste género. Em 2011, Bruno Gaspar, um artista plástico e ilustrador natural de Leiria, pediu aos sem-abrigo que fotografassem Lisboa. Distribuiu máquinas descartáveis por 15 pessoas e cada fotografia servia para uma boa causa, pois as melhores imagens foram vendidas para ajudar a associação CASA.

Previous A cultura da lotaria: desvendando o lado negro das start-ups
Next “Airbnb para refugiados”: a plataforma alemã de apoio aos refugiados que contagiou a Europa