10 desejos para Cannes


O Festival de Cinema de Cannes é, por excelência, palco para algumas das melhores estreias do ano e em 2015 promete não ser excepção. Do extenso rol de filmes apontados pela imprensa internacional para estrear no festival, seleccionámos 10 filmes imperdíveis para nós.

A uma lista de nomes óbvios como Michael Haneke, Gus Van Sant e Gaspar Noé juntam-se alguns outsiders igualmente entusiasmantes como o habitualmente catártico Yorgos Lanthimos ou a nova adaptação do sempre nostálgico Principezinho.

São 10 desejos para Cannes, mas, mais que isso, são 10 filmes que só admitimos que fiquem de fora da selecção do festival se for para estrearem antes.

The Sea of Trees – Gus Van Sant

Este é um dos nossos maiores desejos para Cannes. The Sea of Tree fala de um americano que na procura pelo lugar perfeito para morrer, no Mt. Fuji, se cruza com um japonês também ele perdido. O filme conta a história de Arthur Brennan (Matthew McConaughey) e Takumi Nakamura (Ken Watanabe) que dali partiram juntos numa jornada para uma vida melhor.

Love – Gaspar Noé

Gaspar Noé é um nome impossível de esquecer. Senhor de um estilo muito próprio, habituou-nos desde os seus primeiros filmes a uma abordagem arriscada, por vezes até chocante.

Depois de nos levar numa viagem trippy pelo mundo das drogas em Enter The Void e de nos mostrar com uma frieza ímpar a irreversibilidade da vida no controverso Irreversible, Love é um filme que promete trazer uma nova visão sobre o amor e o sexo. E como se o historial não fosse suficiente para nos deixar expectante quanto a este “melodrama sexual”, a promoção do filme faz o resto – a juntar à capa por si só bastante sugestiva, surgiu mais um alegado poster de promoção ao filme que mostra bem até onde Noé e capaz de ir.

10desejoscannes_love

The Lobster – Yorgos Lanthimos

The Lobster é um filme do realizador grego Yorgos Lanthimos, numa narrativa que promete ser um verdadeiro desafio a todos as nossas concepções. Tendo, também ele, as relações amorosas como motto do seu filme.

Depois dos apaixonantes Dogtooth (2009) e Alpes (2011), como se sairá o realizador grego na sua primeira aventura em inglês? A expectativa é grande para perceber qual será o resultado da linguagem do cinema grego na língua inglesa.

10desejoscannes_lobster

La Giovinezza (Youth) – Paolo Sorrentino

Depois de em 2013 surpreender Hollywood com La Grande Belezza e arrecadar o galardão para Melhor Filme Estrangeiro na cerimónia dos Óscares, em 2015 Paolo Sorrentino prepara o lançamento de um novo filme.

Com um elenco de estrelas (conhecidas, leia-se), La Giovinezza é o segundo filme em inglês do realizador italiano e conta a história de um maestro reformado que é convidado a voltar ao activo para tocar para a rainha, segundo avança o Hollywood ReporterLa Giovinezza é também o nome do hino do partido fascista italiano e foi hino não-oficial do país entre 1924 e 1943, conotando o filme com uma boa dose de política.

1001 Noites (Arabian Nights) – Miguel Gomes

Miguel Gomes é um dos realizadores contemporâneos portugueses mais aclamados, o seu último filme foi um sucesso (especialmente lá fora) e mereceu a atenção de toda a critica. Volvidos 3 anos sobre TABU, Arabian Nights (1001 Noites, em português) é um filme sobre a mítica lenda e recheado de histórias reais sobre os nossos tempos e o nosso país.

O filme vai ser dividido em três partes e a versão completa terá a duração de uma noite.

10desejoscannes_arabiannights

Flashmob – Michael Haneke

Depois do comovente Amour, espera-se que Haneke volte a surpreender. O tema de Flashmob não nos podia interessar mais: o filme explora, alegadamente, as relações de um grupo de jovens que se conheceu através da internet, procurando reflectir sobre os media e a realidade.

Embora em Junho do ano passado Michael Haneke tenha dito que ainda procurava a actriz perfeita, o passado de estreias de Haneke em Cannes leva-nos a crer na possibilidade de Flashmob vir ser um dos principais título do festival francês.

The Last Face – Sean Penn

A verdade é que basta um nome para nos deixar ansiosos para The Last FaceAdèle Exarchopoulos, a actriz que depois de Blue Is The Warmest Color se afirmou como uma das revelações de 2014, pode voltar a estar em cena em Cannes, desta vez pela mão de Sean Penn. Adèle partilha a tela com Charlize Theron e Javier Bardem, nomes nem por isso menos hyped.

Charlize interpreta o papel de directora de uma organização humanitária que se apaixona por um médico (Javier Bardem), também ele em missão. Parece ser só mais uma história de um amor impossível, num cenário de crise e revolução, que pode ser salva pelo elenco.

Carol – Todd Haynes

Até agora pouco se sabe sobre Carol de Todd Haynes, mas a única linha de sinopse divulgada é suficiente para que o filme mereça a nossa atenção. Um amor lésbico na América dos anos 1950, entre uma jovem trabalhadora de uma loja e uma mulher mais velha e casada.

Com Rooney Mara e Cate Blanchett nos papéis principais, o filme é uma co-produção britânica e americana e é inspirado num livro de Patrícia Highsmith, a escritora de The Talented Mr. Ripley.

10desejoscannes_carol

Ricki And The Flash – Jonathan Demme

Assumidamente o mais pop desta lista, Ricki And The Flash conta a história de uma mulher que deixa a família para se tornar numa estrela rock e que depois tem oportunidade de voltar à sua vida normal como se nada se tivesse passado. O filme é protagonizado por Meryl Streep que contracena com a filha Mamie Gummer pela segunda vez na sua carreira.

Mas o que nos chama verdadeiramente a atenção é a argumentista. A presença de Diablo Cody na equipa faz prever um Ricki And The Flash tão marcante quanto Juno.

The Little Prince – Mark Osborne

Quem não gosta da história do Principezinho? É um clássico da literatura infantil e não só. Um dos livros mais unânimes entre todas as gerações chega agora ao cinema. Para além da história que já conhecemos este filme de animação conta com vozes sonantes como as de Rachel McAdams, Ricky Gervais e James Franco.

Com banda sonora de Hans Zimmer, há muita especulação em torno do filme, que muitos acreditam ter sido feito como uma manobra de marketing para rentabilizar os direitos de autor prestes a expirar.