Reino Unido anuncia primeiros testes com veículos sem condutor


Carros que se conduzem sozinhos sem necessitar de condutor parece ser uma realidade cada vez mais próxima a circular nas nossas estradas. A Google começou por desenvolver este projecto, seguida pelas principais marcas automóveis que nas últimas feiras tecnológicas têm apresentado os seus protótipos. Naturalmente, a introdução de carros sem condutor levanta questões variadas, nomeadamente legais, que urge legislar antes que estes automóveis cheguem ao asfalto.

Com isto em vista, o Reino Unido adiantou-se e decidiu iniciar um período de testes com vários veículos nas estradas do país, para avaliar a adequabilidade da sua circulação. Esta decisão surge no seguimento de um processo de discussão que durou seis meses, e que resultou na confirmação de que as leis em vigor não são obstáculo ao teste destes veículos e na atribuição de verbas no valor de 26 milhões de euros, destinadas a projectos-piloto nesta área.

Os projectos-piloto estão agendados para o final deste ano e, até agora, perfilam-se três. O Lutz Pathfinder Pod (foto anterior) arrancará em Milton Keynes e Coventry; e o shuttle Meridian (foto em baixo) operará no bairro londrino de Greenwich, vão usar veículos elétricos.

reinounidosemcondutor_02

O terceiro projecto, o Venturer, terá lugar nos arredores de Bristol: utilizará um jipe militar reconvertido, que só deverá começar a circular no início de 2016.

reinounidosemcondutor_03

Os automóveis não serão particularmente rápidos – o Lutz Pathfinder terá como velocidade máxima 25 km/h, enquanto que o Meridian circulará a 20 km/h – e, numa primeira fase, ficarão restritos a zonas pedestres.

O Governo britânico planeia introduzir regulamentação própria para estes testes. Os Estados Unidos foram o primeiro país a adoptar legislação no sentido de regulamentar estes veículos, apesar de estes serem apenas legais em quatro estados. Já na Europa, apenas Suécia e Alemanha tomaram medidas semelhantes.

Os primeiros passos estão a ser dados em direcção a um futuro de condução cada vez mais autónoma e os resultados destes testes serão importantes para integrar este cenário na nossa sociedade.

Previous Há mais uma start-up a querer tornar o Hyperloop realidade
Next World Press Photo: estas são as melhores de 2014