People Maps: mapas em que os interesses são as coordenadas


Imagina a cidade onde vives representada com base nas redes sociais e nos seus utilizadores. O projecto People Maps consiste nisso mesmo.

Estamos habituados a ver representações geográficas das cidades quer através de mapas, fotografias aéreas ou pinturas. O projecto People Maps faz uma representação não-geográfica das cidades através das redes sociais, mais precisamente do Twitter.

Dave Troy, developer do projecto, organiza toda a informação recolhida através do Twitter para agrupar as pessoas não em bairros ou grupos sociais mas sim com base nos assuntos que estas discutem online. Com base nesta premissa obtemos mapas absolutamente fascinantes e altamente informativos das relações entre os habitantes de uma determinada cidade.

“Cada pessoa (ou utilizador) é um ponto, cada linha representa uma relação e cada cor representa uma área de interesse, explica Dave no site do seu projecto. Os mapas obtidos permitem, rapidamente, perceber que duas áreas de interesse colocadas em extremos opostos do mapa são discutidas por pessoas pouco inter-relacionadas. Assim como as áreas de interesse que se encontram no centro dos mapas são temas centrais entre os habitantes.

Podemos ver que numa cidade como Barcelona as áreas de interesse formam uma espécie de circulo. Quer isto dizer que os assuntos debatidos pelos os barcelonenses são, mais ou menos, centrais e comuns a todos os habitantes. Vemos também que aqueles mais ávidos do Futebol, principalmente do FC Barcelona, se opõem àqueles cujos interesses são Literatura, Bibliotecas e Livros.

peoplemaps_barcelona

Se Barcelona até é uma cidade relativamente homogénea, Baltimore é exactamente o oposto. O mapa das relações da cidade em Maryland mostra um nível de segregação racial extremo. Na ponta da direita vemos que os temas predominantes são a música, nomeadamente os estilos Hip-Hop e Rap. Esta ponta da cidade é maioritariamente composta por cidadãos de raça negra e de outras raças. Já na ponta oposta os temas são a Política, os MediaCulturaAlimentação e Geeks. Estes temas são dominados por cidadãos de raça branca.
O único ponto de contacto (mais evidente pelo menos) é o Desporto. Vemos claramente a fronteira, criada entre os dois grupos étnicos, composta por temas relacionados com o mundo do desporto.

peoplemaps_baltimore

No Rio de Janeiro a diferenciação entre as classes sociais é bem visível na representação do People Maps. Os principais temas debatidos pelos Brasileiros são a Música e o Futebol (pelos mais “pobres”) e a Política e Literatura (pelos mais “ricos”). Repare-se que dentro do tema da música existe uma grande diferenciação entre não só os estilos de música mas também dos artistas.

peoplemaps_riodejaneiro

Em países em que o acesso à internet é restringido por parte de entidades governamentais, temas relacionados com movimentos activistas ou a pornografia surgem evidenciados nestes mapas. São exemplo disto a Arábia Saudita e Istambul na Turquia.

peoplemaps_saudiarabia

peoplemaps_istanbul

peoplemaps_munich

O projecto People Maps tem muitos mais exemplos de como as pessoas se relacionam em todo o mundo. Este tipo de informação pode ser preciosa para as empresas que querem ter uma presença junto de um público específico nestas cidades. Com estes mapas, a definição desse público alvo pode ser altamente potencializada. Se não satisfizeste totalmente a tua curiosidade sobre este tema, podes ver também a TED Talk sobre o People Maps no TED Global de 2014.

Previous Esta app permite-te ser os olhos de quem não consegue ver
Next Elon Musk tem um plano para levar a Internet para o Espaço