Esta app permite-te ser os olhos de quem não consegue ver


Infelizmente, nem todos temos a felicidade de conseguir ver. Hans Jørgen Wiberg é uma dessas pessoas. E foi por perceber como é ser invisual que o dinamarquês criou a Be My Eyes, uma app que lhe permite ser assistido nas suas rotinas por pessoas que conseguem ver.

Be My Eyes é uma espécie de rede social na qual se registam invisuais (como o Hans) e pessoas dispostas a ajudar esses invisuais. Assim, quando Hans precisar de ler o rótulo de uma embalagem ou de fazer qualquer coisa no computador, apenas precisa de abrir a app e encontrar um voluntário disponível.

O voluntário irá estar numa espécie de videochamada com Hans e verá tudo o que a câmara do telemóvel deste lhe mostrar. Assim, se Hans apontar a câmara para o ecrã do seu computador, o voluntário poderá descrever-lhe através da voz uma fotografia.

bemyeyes_app01

As possibilidades são infinitas e, no final, fazem a diferença tal como explicou o próprio Hans no TEDxCopenhagen:

Ao Mashable, o criador afirmou que “o que é realmente importante nesta app é que o deficiente visual tem a oportunidade de ser ajudado sem ‘perguntar‘”.  Ou seja, o utilizador é ajudado mas por alguém que quer ajudar e não por alguém que é obrigado a ajudar, ou que o deficiente visual, neste caso, sinta que está a incomodar.

bemyeyes_app02

Quando pedes ajuda a um vizinho, ele pode ajudar-te uma ou duas vezes por dias, mas se lhe pedes três vezes por dia ele começa a não te querer ajudar. Esta app permite-te pedir ajuda 10 vezes por dia porque tens a certeza que a pessoa do outro lado vai estar pronta a ajudar-te“, explica Hans.

Neste momento já há quase 30 mil utilizadores prontos a ajudar e mais de 2 mil e 500 deficientes visuais. Lançada há pouco tempo, a app já foi utilizada mais de 5 mil vezes. Esta é uma app sem fins lucrativos que, para já, só está disponível – a custo zero – para iOS. As versões para Android e Windows estão a ser desenvolvidas.

Previous Fomos aos Restauradores (tentar) comprar o Charlie Hebdo
Next People Maps: mapas em que os interesses são as coordenadas