Elon Musk tem um plano para levar a Internet para o Espaço


Elon Musk não consegue estar parado. O Shifter já te deu conta dos novos avanços no projecto Hyperloop, mas o empreendedor acaba de revelar outro sonho: levar a Internet para o Espaço. O objetivo final de Musk – que tem no seu portefólio empresas como a Tesla Motors, SpaceX, SolarCity – é ligar futuras populações que vivam em Marte à web.

“Penso que isto tem de ser feito e não vejo ninguém a fazê-lo”, referiu o empresário à Bloomberg Bussinessweek. Habituado a projectos futuristas através da sua empresa SpaceX, Musk tem a certeza que Marte precisa de uma rede global de Internet e está a trabalhar para isso, até porque a empresa que lidera espera vir a “fundar uma cidade em Marte”, disse.

Mas Musk tem os pés bem assentes na Terra. É no nosso planeta que o magnata quer instalar primeiro uma rede global de Internet, com 2 objectivos: por um lado, aumentar a velocidade da troca de dados na superfície; por outro, providenciar acesso à net de qualidade e de baixo custo (à lá Facebook) aos 3 mil milhões que ainda não o têm ou têm-no com pouca eficácia.

Para tal, o plano de Musk passa por criar uma rede de pequenos satélites em torno da Terra, e muito mais próximos dela (a 1 200 km) que os actuais satélites de comunicação, que orbitam até 35 400 km do planeta. Assim, como os sinais electromagnéticos têm de percorrer uma distância menor, consegue-se uma Internet mais rápida, com velocidades quase iguais às da fibra óptica. “A velocidade da luz é 40% mais rápida no vácuo do Espaço do que na fibra”, lembra.

Elon Musk não é tímido a descrever o projecto: “vai ser um serviço gigante que presta Internet globalmente a qualquer pessoa”.

Apesar da ambição toda, Musk é sincero: “as pessoas não podem estar à espera que este serviço esteja activo nos próximos cinco anos“. E não só: este projecto pode custa à volta de 10 mil milhões. Coisa pouca… para o magnata.

Para já, a SpaceX está a fazer satélites para consumo próprio: “vamos começar por construir satélites que satisfaçam as nossas necessidades tendo em conta aquilo em que estamos a trabalhar”, explica Musk, não excluindo a hipótese de vir a vender para outras empresas.

Previous People Maps: mapas em que os interesses são as coordenadas
Next A imponência nocturna da cidade que nunca dorme