#illRideWithYou: contra a intolerância racial e religiosa


Segunda-feira, 15 de dezembro, 9h30 da manhã em Sydney (22h30 de domingo em Portugal).

A cidade australiana viveu um dos episódios mais tristes dos últimos tempos quando um refugiado iraniano sequestrou 17 pessoas dentro do “Lindt Cafe”, em Martin Place. Duas delas acabariam por morrer, tal como Man Haron Monis, o responsável pelo sequestro.

Após este grave incidente, uma cidadã australiana, Tessa Kum, receosa de que a comunidade islâmica que não se revê nestes actos de terrorismo sofresse represálias, decidiu agir. Tessa criou uma campanha no Twitter que inocentemente se tornou viral.

#illRideWithYou é uma hashtag que pede a todos os australianos que partilhem o seu percurso habitual de casa para o trabalho de modo a protegerem aqueles que de certa forma estejam susceptíveis a represálias devido à sua crença.

O objectivo final é que esta terça-feira e durante os próximos dias, os islâmicos que vivam na Austrália sintam que o país que os recebe também é deles. No Twitter não resta sombra de dúvida que este movimento, que visa combater a intolerância racial e religiosa, foi aclamado por muitos. Foram centenas os habitantes que disponibilizaram imediatamente as coordenadas dos seus percursos assim como foram muitas as respostas de agradecimento por parte de quem merece ser protegido.

Depois de mais de 90 mill tweets com a sua hashtag e muitas perguntas por parte da comunicação social, Tessa Kum não teme o alcance desta campanha. São milhares e milhares de pessoas, de diferentes nacionalidades, que vangloriam a sua atitude e realçam de diferentes maneiras que as religiões não definem as atitudes de quem as toma.

Sem esquecer que duas vidas foram perdidas, esta é uma iniciativa que demonstra mais uma vez o poder do Twitter.

Hoje, se estiveres em Sidney e apanhares um autocarro , não te esqueças de o dizer. Se fores muçulmano e tiveres medo… não te escondas. Alguém te acompanhará.

#illRideWithYou

illridewithyou_trendsmap

Previous Redesenhando a Constituição Portuguesa
Next O que é que Portugal e o Mundo andaram a pesquisar em 2014?