É Natal e as cidades ficam mais brilhantes. Quem o diz é a NASA


Anualmente, entre Novembro e Dezembro, as cidades enchem-se de iluminações natalícias e ficam significativamente mais brilhantes. Tão brilhantes que a diferença é visível do Espaço. Um satélite da NASA verificou que a luz das cidades aumenta 20-30% entre a Black Friday (na última semana de Novembro) e o Ano Novo. Um aumento que nos subúrbios tende a ser maior, na ordem dos 50%, devido à predominância de vivendas familiares com quintais nos quais podem ser instaladas iluminações natalícias mais arrojadas.

“Há um sinal quase omnipresente. Percebemos que os EUA vivem cada vez mais o Natal, em várias comunidades”, indica Miguel Roman, investigador da NASA e um dos líderes deste estudo, num comunicado de imprensa. “Estes padrões de luz mostram uma tradição de Natal partilhada.”

Os mapas seguintes da NASA ilustram bem a diferença entre as cidades e os subúrbios. Por exemplo, neste primeiro: enquanto que cidades de Washington, Baltimore, Richmond e Virginia Beach “pintadas” a amarelo representando níveis mais modelos de luminosidade, as áreas em redor estão a verde, indicando aumentos muito mais significativos.

iluminacoesnatalespaco_mapa01

iluminacoesnatalespaco_mapa02

iluminacoesnatalespaco_mapa03

iluminacoesnatalespaco_mapa04

iluminacoesnatalespaco_mapa05

“De uma forma geral, vemos um menor aumento de luminosidade nos centros urbanos mais densos, quando comparados com os subúrbios de terras pequenas – onde há mais habitações familiares”, explica Eleanor Srokes, também investigadora da NASA e co-líder do estudo, no comunicado de imprensa.

Os dados foram recolhidos pelo satélite NOAA/NASA Suomi National Polar-Orbiting Partnership (Suomi NPP) durante três anos. O efeito observado não está obviamente limitado aos Estados Unidos, nem ao Natal. Aliás, os investigadores notaram pela primeira vez diferenças nos níveis de luz em imagens do Cairo, tiradas durante o Ramadão.

Previous O lince ibérico está de volta ao território natural português
Next SpaceX quer aterrar um foguetão nesta “jangada” gigante