Curiosity encontra metano e outra matéria orgânica na superfície de Marte. Sinais de vida?

O robô Curiosity pousou a 6 de Agosto de 2012 na superfície marciana para perceber se existem condições que eventualmente possam suportar ou ter suportado vida em Marte. Esta terça-feira, o veículo da NASA “comunicou” no Twitter que detectou, num ponto do planeta, um aumento inesperado da concentração de metano, um composto orgânico (orgânico porque contém carbono) que na Terra é produzido por organismos vivos.

O Curiosity detectou picos de emissões de metano no planeta, anunciou a NASA esta terça-feira. O robô não conseguiu, todavia, detectar a origem deste gás. “Este aumento temporário de metano – acentuadamente para cima e depois para baixo – diz-nos que tem de haver uma fonte localizada”, disse Sushil Atreya, investigador da Universidade de Michigan. O gás registrou picos de aumento de 10 vezes, ou até mais em determinadas ocasiões ao longo de 60 dias marcianos.

Na Terra, o metano é produzido maioritariamente por organismos vivos, mas os cientistas ainda não conseguiram confirmar que o panorama seja igual em Marte. “Há muitas fontes possíveis, biológicas e não-biológicas, como a interação de água com rochas”, acrescentou Atreya.

Este infográfico da NASA mostra fontes possíveis de metano:

origemmetanomarte

Moléculas orgânicas encontradas na poeira de Marte

O metano não foi a única matéria orgânica encontrada recentemente em Marte pelo Curiosity. O robô analisou a poeira de Marte e detectou pela primeira vez moléculas orgânicas – ainda não identificadas. É agora preciso perceber a origem desta matéria orgânica: formou-se na superfície de Marte ou foi trazida por meteoritos que o atingiram? Há uma coisa que os cientistas já sabem, depois de meses de análise: estas moléculas recolhidas pelo Curiosity não viajaram com ele da Terra, contaminando o planeta vermelho.

“Esta primeira confirmação de carbono orgânico numa rocha em Marte é muito promissor”, referiu Roger Summons, cientista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (Cambridge, Estados Unidos). “As moléculas orgânicas são importantes porque nos podem contar por que caminhos químicos se formaram e preservaram. Por sua vez, isto fornece informação sobre as diferenças entre a Terra e Marte e se o ambiente representado pelas rochas sedimentares da cratera Gale [onde o Curiosity aterrou] são ou não mais favoráveis para a acumulação de materiais orgânicos.”

O Curiosity continua em Marte à procura de mais moléculas orgânicas, deixando a Terra com a clássica dúvida: há/houve vida em Marte?

Fonte: NASA

Partilha nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
  • Jornalista, adepto de cidades humanas e curioso por ideias que melhorem o país. Co-fundei o Shifter em 2013, sou desde 2020 coordenador do projecto editorial Lisboa Para Pessoas.

Contribui para o Shifter para mais artigos como este:

2 €/mês

5 €/mês

10 €/mês

15 €/mês

Donativo

Artigos Relacionados

Junta-te à Comunidade
Jornalismo é aquilo que fazemos todos juntos. Entra na Comunidade Shifter e faz parte da conversa.
Sabe mais
Em teste

Bem-vind@ ao novo site do Shifter! Esta é uma versão beta em que ainda estamos a fazer alguns ajustes.Partilha a tua opinião enviando email para comunidade@shifter.pt