Como a Intel e a SwiftKey estão a ajudar Stephen Hawking a comunicar


Há 2 anos, a Intel começou a melhorar o sistema de computador que Stephen Hawking utiliza para comunicar. Ainda há pequenas coisas a serem corrigidas e acertadas, mas o objectivo final é tornar o sistema acessível ao público-geral.

Stephen Hawking foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica (uma doença rara degenerativa que paralisa os músculos do corpo mas que não atinge as funções cerebrais) quando tinha 21 e não se esperava que vivesse para lá dos 25. Graças à tecnologia, Hawking tem hoje 72 anos.

Desde 1985 que o Professor utiliza um sintetizador de voz para comunicar, e em 1997 a Intel começou a ajudar a manter e melhorar o sistema de computador assistente que utiliza para interagir. Com o avanço da doença, a capacidade de comunicar de Hawking reduziu para uma palavra por minuto.

Há 2 anos, a Intel começou a trabalhar no sentido de melhorar o sistema que utiliza uma interface cronometrada rudimentar: um cursor move-se automaticamente no teclado do ecrã e cada vez que o físico move a bochecha aciona um sensor de infravermelhos que para o cursor e seleciona a opção destacada.

Segundo a Intel, se os seus engenheiros fossem criar um sistema de apoio do zero, a tecnologia usada seria bastante mais moderna. Mas Hawking não queria um sistema completamente novo! Como explica Lama Nachman, Engenheira Principal na Pesquisa de Experiência do Usuário a Intel Labs: “Stephen usa a mesma interface há décadas. É muito insistente quanto a mantê-la. Por isso, o nosso trabalho foi manter a experiência de usuário familiar, mas torná-la mais intuitiva e poderosa.”

Uma das alterações mais significativas foi a introdução de um sistema baseado nos teclados SwiftKey que autocompleta as palavras conforme vão sendo escritas e que as vai aprendendo ao serem utilizadas. Isto faz com que o número de ‘clicks’ que Hawking precisa de fazer para escrever uma palavra seja reduzido consideravelmente.

intelswiftkeyhawking_02

Outra importante mudança prende-se com a forma como o Professor Hawking usa o sistema no dia a dia — escrever documentos ou emails, dar palestras, pesquisar na web e ler PDFs. Assim, os engenheiros da Intel identificaram um fluxo de utilização e tentaram tornar o processo mais ágil. O exemplo dado por Lama é o do uso do Microsoft Word: há um conjunto de funções que Hawking utiliza mais, como abrir um novo documento, guardar ou editar; ao criar opções contextuais ao longo do sistema é possível selecionar a pretendida com um único ‘click’ em vez de ter de navegar pelos menus, o que mais uma vez facilita e acelera todo o processo.

Como foi referido no início, as melhorias ao sistema ainda não estão finalizadas. Quando estiverem, a Intel quer que o sistema esteja disponível à comunidade open source para que este possa ser ainda mais desenvolvido na esperança de vir a melhorar a qualidade de vida de pessoas com a mesma deficiência e problema de comunicação de Hawking, bem como avançar o campo da tecnologia assistiva.

Fonte: Intel

Previous Marcas com assinaturas honestas
Next “Branding Anonymous”: a construção da marca anti-marcas