10 anos depois, um novo álbum dos Libertines


Foi há dez anos, em 2004, que foi lançado o último álbum dos Libertines. Homónimo, este disco trouxe-nos singles como “Can’t Stand Me Now”, “Music When The Lights Go Out” ou “What Katie Did”. Da sua discografia – toda ela produzida por Mick Jones, guitarrista e vocalista dos The Clash – faz ainda parte Up The Bracket . Lançado em 2002, o álbum de estreia dos britânicos é um dos discos mais importantes do indie rock do século XXI e foi uma das principais influências para as bandas indie dessa altura.

Após terem acabado em 2004, reuniram-se uma única vez em 2010 para dois concertos no Leeds e no Reading Festival, tendo voltado oficialmente em 2014. Depois de vários concertos no verão, os Libertines assinam agora, no início de Dezembro, um contracto discográfico com a editora Virgin Records.

Apesar de terem várias propostas de editoras, a escolha da Virgin Records fez-se de forma natural, sendo que foi a editora com quem sempre trabalharam e a que lançou os seus dois únicos álbuns.

Assinado na Tailândia, onde o vocalista Pete Doherty se encontra em reabilitação, este contracto confirma toda a especulação que se gerou em torno de um novo álbum. Com lançamento previsto para o fim de 2015, o terceiro disco da banda enfrenta o desafio de se seguir a dois álbuns importantes e aclamados pela imprensa.

Recorde-se que os Libertines passaram pela última edição do Optimus/NOS Alive. Foram os últimos cabeças-de-cartaz a serem anunciados pela organização do festival português.