Uma nova Band Aid, por uma nova causa: o ébola


Trinta anos depois de ter sido criada por Bob Geldof e Midge Ure, a Band Aid volta a juntar várias vozes britânicas e irlandesas para cantar a canção solidária “Do They Know It’s Christmas?”, para angariar fundos e ajudar no combate contra a epidemia de Ébola no continente africano.

Em 1984, o supergrupo cantou a versão original da mesma canção para lutar contra a fome na Etiópia. Desta vez, com alguns versos alterados para melhor se adequar à causa em foco, Bob Geldof rodeou-se de outros artistas icónicos como Bono, Sinead O’Connor, Seal, e de nomes influentes da música Pop actual como os One Direction, Rita Ora, Ed Sheeran ou Ellie Goulding, para tentar recrear um fenómeno dos anos 80. O grupo contou ainda com a participação de um dos nomes mais sonantes da música africana: Angélique Kidjo.

No vídeo, agora pode ouvir-se “where a kiss of love can kill you / where there’s death in every tear” (“onde um beijo de amor pode matar-te / onde existe morte em cada lágrima”) e onde anteriormente a letra dizia “Well tonight thank God it’s them instead of you” (“Esta noite, agradece a Deus serem eles em vez de ti”) – verso que sempre desagradou a Bono – agora encontramos um verso menos agressivo: “Well tonight we’re reaching out and touching you”.

O videoclip foi gravado em Notting Hill, em Londres, e lançado apropriadamente no domingo, durante o programa Factor X britânico, servindo-se da chegada da quadra natalícia e do elevado número de espectadores, que segue semanalmente o programa de talentos, para conseguir um maior alcance e ter um maior impacto junto dos fãs dos actuais representantes da canção. Aliás, do leque de artistas convidados, houve mesmo quem tenha visto a sua carreira iniciar-se no programa britânico, como é o caso dos One Direction, cujas legiões de fãs maioritariamente adolescentes e pré-adolescentes são dos admiradores mais fieis e que mais cegamente acompanham os seus ídolos, certamente contribuindo para viralizar o vídeo e para o sucesso da campanha.

A eficácia da transmissão da mensagem terá mesmo ficado assegurada pelas vozes escolhidas para o vídeo que atraem ouvintes não só da geração dos millenials, que dominam os espaços virtuais e que rapidamente levam qualquer informação aos quatro cantos do mundo, como gerações anteriores. Depois de garantir visualizações, o vídeo tenciona mexer com as emoções dos espectadores logo no início, ao expor imagens de uma mulher num estado cadavérico, vítima de Ébola, a ser transportada para fora de uma habitação onde vivia em condições miseráveis.

O single do Band Aid 30 foi posto à venda em formato físico e digital na segunda-feira e em apenas três dias foram vendidas 252 mil cópias, arrecadando até agora mais de um 1,2 milhões de libras (mais de 1,5 milhões de euros). E espera-se que o número continue a aumentar, a julgar pelos dados do Official Charts: “Do They Know It’s Christmas?” ocupa a primeira posição do top 40 da Official Singles Charts e já é nº 1 nos tops do iTunes no Reino Unido, na Austrália, Nova Zelândia, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Holanda e Canada. A Band Aid e a Band Aid 20 (as campanhas de 1984 e 2004) venderam um total de 3,75 milhões e 1,18 milhões de cópias, respectivamente.

Apesar dos fundos reverterem para a crise do Ébola, há quem desaprove a iniciativa de Sir Bob Geldof e quem chegue mesmo a achá-la ofensiva. O músico nascido em Londres, descendente ganês, Fuse ODG, recusou participar no projecto depois de ter ficado “chocado e estarrecido” pela letra da música, de acordo com o The Age. Existem ainda sites pró-África que dizem estar ofendidos pela presunção dos artistas que participaram no Band Aid ao quererem atirar dinheiro para o problema. Numa entrevista para o Channel 4 News, Damon Albarn, vocalista dos Blur, disse que a mensagem da campanha se pode facilmente perder no “frenesim mediático”, levando as pessoas a crer que fazer doações monetárias pode resolver o problema “quando, por vezes, dar dinheiro cria um novo problema”.

Mesmo as redes sociais têm optado por dar um enorme destaque à “alternativa” à Band Aid, que foi gravada e publicada antes do projecto maioritariamente britânico. “Africa Stop Ebola” conta com a participação de artista vindos de vários pontos de África e da Malásia como Tiken Jah Fakoly, Amadou e Mariam, Salif Keita e Oumou Sangare. O single foi partilhado em múltiplas plataformas através de #AfricaStopEbola, levando vários a tecer comparações entre os dois temas, acabando muitos por preferir a versão maioritariamente africana que poderão ver aqui:

A Band Aid original (1984)
A Band Aid original (1984)