Facebook fez uma outra experiência no News Feed dos utilizadores


Parece que o estudo emocional não foi o único realizado pelo Facebook. Em 2012, a empresa manipulou discretamente o News Feed de 1,9 milhões de utilizadores norte-americanos de forma a fazer surgir mais hard news (isto é, notícias densas/pesadas), partilhadas pelos seus amigos.

O Facebook pretendeu verificar se, uma vez mais expostos às notícias “importantes” sobre o país pelos amigos, os americanos utilizadores da rede social seriam mais propensos a votar nas eleições presidenciais. A empresa conclui que o aumento do conteúdo noticioso mais “sério” impulsionou o número de votantes em 3%.

“Votar é um valor essencial da democracia. E acreditamos que encorajar a participação cívica é um contributo importante que podemos fazer para a comunidade”, explicou um porta-voz do Facebook ao Huffington Post, depois de o caso ter sido denunciado no final da última semana pela revista Mother Jones.

Esta não é a primeira vez que o Facebook é acusado de manipular o News Feed dos seus utilizadores para estudos científicos. Fê-lo também em 2012 num outro âmbito: estudar o contágio emocional mostrando aos utilizadores conteúdos ou positivos, ou negativos. O Facebook pediu desculpas, mais tarde, pelo procedimento e alterou já a forma como realiza estudos científicos.

Verdade é que estes dois estudos só vieram confirmar que Mark Zuckerberg pode colocar o Mundo a pensar aquilo que ele quer e a sentir aquilo que lhe apetece. O Facebook é uma ferramenta bem poderosa, mais poderosa do que aquilo que possamos pensar.