Bo Burnham é o puto-comediante-pretensioso que tens de conhecer


A criatividade em humor não parece ser totalmente livre. O comediante vê-se forçado a miscigenar as suas intenções de originalidade com as técnicas de escrita humorísticas e as referências que julga serem reconhecíveis pelo público para o qual está a trabalhar.

Em princípio, o comediante sofre uma pressão, íntima ou exterior, para tornar o seu conteúdo abrangente, ou, pelo menos, original de uma forma sustentável. Não é agradável para um stand-up comedian actuar para uma sala de 50 pessoas, das quais apenas três ou quatro se estão a identificar com o material. Invade-nos uma sensação de falhanço.

Debatemo-nos com a questão da originalidade versus feedback imediato. Para além disso, parecem existir uma série de regras inerentes à stand-up comedy, sobretudo em relação à simplicidade da encenação, que podem levar o comediante a autolimitar-se.

Bo Burnham, comediante-prodígio de 24 anos que despoletou no YouTube com apenas 16, está-se a cagar para isso. E ainda bem.

Um espectáculo de stand-up comedy deste americano é muito mais do que um monólogo onde se sucedem piadas ou estórias humorísticas. É poesia, música, luzes, vozes interiores, desafios à forma, falso moralismo, um manancial de novas maneiras de “puxar o tapete” em humor. Bo Burnham enfrenta a crítica até de próprios colegas da comédia, que põem em causa a legitimidade do seu número por recorrer a adereços e uma complexa encenação, algo que não consideram próprio da stand-up comedy clássica. No entanto, what.,o seu último lançamento, arrebata de tal forma o espectador que, se aquilo não é stand-up, é sem dúvida uma obra de arte humorística completa a todos os níveis.

Canta Bo, na sua música “What’s funny?”,

‘My show is a little bit silly, and a
Little bit pretentious, so like
Shakespeare’s willy or
Noam Chomsky wearing a strap-on’

Burnham adopta, segundo o próprio, uma persona propositadamente arrogante em palco, uma ego trip temperada com humor auto-depreciativo. Não é escravo da punchline clássica e aposta num tom introspectivo, num texto em que não raro a própria arte da comédia é tema central. what. é espectáculo inquietante, tocante, filosófico, indubitavelmente engraçado e ultrajantemente paternal, dada a idade do artista. Em suma, a maior qualidade de Bo Burnham é não ter medo de ser incompreendido.

Preparem-se para algo completamente diferente e disfrutem. Se tudo correr bem, não vão acabar a gargalhar, mas sim com uma sensação semelhante à que tiveram quando acabaram de ver o Rei Leão.

Previous #FollowSaturday #049
Next UberCHOPPER: uma viagem diferente sobre Lisboa e o Tejo