‘Destiny’ é o videojogo de que todos falam. O que tem de tão especial?


Uns dizem ser o melhor videojogo da década. Outros preferem olhar a números e considerá-lo o mais caro de sempre. Mas de uma forma ou de outra, Destiny está nas bocas do Mundo, tendo merecido destaque na imprensa generalista de vários países. Chegou na semana passada às plataformas PlayStation e Xbox.

Foram precisos 5 anos para o estúdio norte-americano Bungie, criador do fenómeno Halo e propriedade de uma das maiores empresas da especialidade, a ActiVision, criar este Destiny, um novo jogo que conjuga First-Person Shooter (o jogador controla uma personagem encarregue de cumprir uma missão) com Online Multi-Player (o jogador disputa outros jogadores, em tempo real).

Destiny tem lugar num cenário pós-apocalíptico, 700 anos à frente da actualidade.A história desenrola-se em vários planetas conhecidos do Sistema Solar – como Vénus e Marte –, sendo que também é possível passar pela Lua. O jogador é um Guardião da última cidade habitada da Terra, que, em colaboração com outros Guardiões/jogadores, tenta recuperar a era dourada da exploração interplanetária que Darkness – uma devastadora figura alienígena – quebrou.

O videojogo mais caro de sempre

500 milhões de dólares (qualquer coisa como 381 milhões de euros) foi quanto custou a produção e lançamento do Destiny. A maior parte foi gasta em servidores dedicados para suportar a plataforma online do jogo, que permite ter milhões de jogadores em simultâneo num mesmo cenário. Em perspectiva, o filme mais caro de sempre – o Avatar, de James Cameron – terá custado 280 milhões de dólares (213 milhões de euros) a produzir e distribuir; rendeu quase 3 mil milhões de dólares (2,25 mil milhões de euros).

Ainda não se sabe quais as receitas que o Destiny trará, mas a previsões são animadoras. A Activision revelou que o envio do jogo para os retalhistas no primeiro dia rendeu 500 milhões de dólares. Antes destes números, vários consultores estimaram a partir das pré-vendas que o jogo possa atingir os dez a quinze milhões de cópias vendidas até ao final do ano (a versão base custa 70 euros, é fazer as contas).

Classificado para maiores de 16 anos, Destiny está disponível desde dia 9 de Setembro para as consolas PS4, PS43, XBox One e XBox 360.