Na JOBBOX, recebes dinheiro se arranjares trabalho a um amigo


Foi numa pequena e acolhedora sala na Rua da Prata, com vista para o Tejo, que encontrámos a JOBBOX. “Querem uma cerveja?”, perguntou o co-fundador Pedro Carmo Oliveira para nos pôr à vontade. Respondemos que sim.

A JOBBOX vive na casa da StartUp Lisboa, cujo objectivo é incubar pequenas empresas para as fazer crescer. Para além do escritório, a StartUp Lisboa oferece toda a estrutura de suporte de que elas precisam, “o aconselhamento do João Vasconcelos” e ainda “os jogos de PlayStation, o trabalhar na Baixa e a jola ao final da tarde”, conta-nos o Pedro. São para cima de 80 os negócios que a StartUp Lisboa já incubou.

A JOBBOX começou para resolver um problema. “Nós percebemos que as startups não conseguiam chegar a pessoal da área de tech, pessoal com talento”, explicou Pedro, que se juntou ao José Vicente Paiva para fundar a empresa. Na verdade, as empresas de recrutamento não compreendem as competências técnicas exigidas, tendo, por isso, dificuldade em avaliar candidatos.
jobbox_website01

O conceito é simples: “recomenda um amigo, sê recompensado”. Que é como quem diz: “é bom que seja uma boa recomendação, ou não recebes nada”. No fundo, a JOBBOX é uma plataforma digital (www.jobbox.io), na qual tu podes recomendar pessoas que conheces pessoal ou profissionalmente para ocuparem uma determinada oferta de trabalho. Caso essa recomendação resulte num recrutamento bem sucedido (isto é, a empresa aceite a pessoa sugerida por ti), tu recebes uma recompensa (em média, é de 500 euros).
jobbox_website02

A JOBBOX acredita que a sua plataforma facilitará o trabalho de recrutamento das empresas que procuram techies, isto é, engenheiros informáticos, programadores, webdesigners e outros profissionais do digital. Como? Aumentando a eficácia e reduzindo custos. Na verdade, o investimento por parte das empresas em recrutamento é muito menor do que se contratassem uma  empresa de recrutamento externa – além de que só gastam esse dinheiro caso o candidato seja contratado.

No fundo, o universo da JOBBOX gira em torno de 3 envolventes: 1) as empresas, 2) quem procura e 3) quem recomenda. “As empresas têm uma dor, quem anda à procura de trabalho também tem uma dor, quem recomenda não tem uma dor. A única motivação é a componente financeira. E mesmo essa não é a maior motivação”, explica José. Perante esta realidade, a dificuldade está em conseguir arranjar um modelo de negócio que permita às empresas obterem as melhores recomendações possíveis e para quem procura trabalho o conseguir alcançar.

O modelo encontrado pela JOBBOX parece funcionar. Para além do valor destinado a quem recomenda, as empresas pagam à JOBBOX uma comissão pelo serviço.
jobox_equipa

Lançada em Fevereiro de 2014 com um investimento inicial de 45 mil euros, a JOBBOX conta com cerca de 30 ofertas de trabalho. Neste momento, os números são 3 pessoas contratadas, duas na TalkDesk e uma na Impraise. Spotify, OutSystems, Omerta, Dafiti, Wannaplayer e EasyPay são algumas das empresas que ainda estão em processo de recrutamento.

Na JOBBOX estão hoje a trabalhar 10 pessoas: há três developers, uma designer, uma pessoa para o marketing e  ainda dois HR Jedi e um Embaixador da Eslováquia.

“E se definissem a JOBBOX em 4 palavras?”, perguntámos. Diferenciação, Progresso, Qualidade e No-Bullshit foram as respostas que ouvimos. Podemos ainda acrescentar mais uma: Indispensável.