CONS Project Lisboa: uma celebração da cultura urbana


Em Alvalade, celebrou-se no fim-de-semana passado a cultura urbana. O skate, a arte, a música, a fotografia e as miúdas giras foram protagonistas do CONS Project Lisboa, o movimento que ocupou por dois dias um antigo armazém industrial numa rua escondida da capital portuguesa.

Enquanto os Thrones + Sines aqueciam as vozes, ali ao lado, numa sala empoeirada e semi-húmida, eram as tábuas que se faziam ouvir. Vários skaters mostravam as manobravas de que eram capazes ou simplesmente treinavam. No andar de cima, o cenário era idêntico. A música mudou na pista de dança, mas os sons dos kickflips e ollies perduraram noite dentro.

O primeiro dia esteve animado. Mais de mil pessoas passaram pelo espaço, que abriu as suas portas dia 23, puderam comprovar em primeira mão o ambiente especial que se vivia. A música, como fio condutor, esteve à altura do evento e foi possível desfrutar do melhor underground da cidade: aos esperados Throes + The Shine, seguiu-se o novo referente da electrónica portuguesa DJ Marfox, o hip hop misturado por DJ Glue e ainda o consagrado Xinobi.

E quase sem descansar, no sábado dia 24 a comunidade reunia-se de novo num dia em que os skaters internacionais e amadores deram de caras com as rampas, saborearam um churrasco e ainda vibraram com a música de Mr. Miyagi e DJ Riot. Porque o final do CONS Project Lisboa merecia ser recordado assim.

O CONS Project Lisboa fechou as suas portas deixando para trás um legado de criações colectivas que vão ser recordadas durante muito tempo. Um lugar que cresceu graças a uma visão arriscada e às contribuições dos colectivos participantes, que trabalharam com apenas um objectivo: criar o seu próprio lugar de sonho.

Com o selo Converse, o CONS Project Lisboa foi um projecto que partiu do zero e que após um mês de trabalho se converteu num espaço multidisciplinar, fruto da colaboração de pessoas e colectivos com visões muito diferentes.

A contribuição de todos eles criou um espaço que reflecte uma viagem pela construção filosófica de Croyde Mirandon e Michael Groenewegen, o tratamento de imagem de Nils Svensson e João Mascarenhas, a visão artística de AKA Corleone, Txemy e a sua crew, dos skaters Javier Mendizabal, Remy Taveira, Carlos Cardeñosa, Octavio Barrera ou Felipe Bartolomeu e ainda a contribuição de jovens talentos que não vão esquecer a experiência que representa para eles ter formado parte deste projecto.

(fotos: Rui Valido / Converse)

[Artigo Patrocinado]

Previous O Skype aproximou ainda mais o mundo
Next Mais do que querer a Beats, a Apple precisa da Beats