Instagram prepara expansão global, está mais leve e rápido no Android


De forma a massificar o serviço, fazendo-o funcionar em smartphones mais básicos e baratos, o Instagram renovou a app Android, tornando-a bem mais leve e significativamente mais rápida. Aproveitou ainda para lhe dar uma cara lavada.

Mark Zuckerberg quer a Internet em todo o lado, com um serviço básico e gratuito que inclua apenas o essencial, nomeadamente pesquisas, dicionários, enciclopédias, utilitários de saúde, ferramentas bancárias, o Facebook para social networking, o WhatsApp para messaging, e quem sabe o Instagram para fotografias.

A verdade é que a nova app para Android – a versão 5.1 – não inclui funcionalidades novas. O utilizador apenas notará na nova interface, mais limpa e flat, que aproxima a experiência Android à já existente no iPhone, aquando do redesign para iOS 7. Todavia, no sistema operativo da Apple, o Instagram sabe o que encontrar: os modelos de iPhone não são muitos, e todos eles são bem capazes.

instagram_galaxyy

O mesmo já não acontece no Android. Este sistema operativo equipa tanto os smartphones low-cost, de baixa gama, como os poderosos Galaxy S4 ou HTC One.  Já para não falar dos mil e um formatos de ecrã, da multiplicidade de processadores e placas gráficas, etc, etc, etc. Por outras palavras, quem programa para Android nunca sabe o que encontrar.

 

 

Para tal, o Instagram reduziu significativamente o espaço que a app ocupa no telemóvel, e duplicou a velocidade com que o perfil é carregado, por exemplo. Tornando a app mais leve, o Instagram ficou também mais barato, uma vez que o download da app acontece mais rapidamente e sem gastar muitos dados em locais com acesso limitado à Internet e com planos de dados caros. A empresa testou a app numa série de telemóveis low-cost, incluindo aqueles que não são vendidos nos EUA (recorde-se que a maior fatia de utilizadores do Instagram não é a norte-americana).

  

Muito provavelmente o Instagram funcionava fluidamente num Galaxy S4, mas se o metêssemos no fraquinho e pequenino Galaxy Y (um dos telemóveis mais populares no Brasil) talvez a coisa já não corresse tão bem. Todavia, a empresa quer mudar isto. O objectivo é que a app caiba em todos os ecrãs e funcione em todos os aparelhos, servindo assim todos os tipos de bolsos.

O Facebook já tinha melhorado a performance da sua app principal nos aparelhos low-cost. Agora fê-lo com a do Instagram, na tentativa de o expandir globalmente, principalmente para mercados mais pobres e/ou com acesso limitado à Internet.

Previous Popcorn Time: é um Netflix pirata
Next Supercomputador Watson da IBM já sabe cozinhar